BRAIP ads_banner

Haddad sonda agentes econômicos sobre timing para indicação de sucessor de Campos Neto

CasaNotícias

Haddad sonda agentes econômicos sobre timing para indicação de sucessor de Campos Neto

Governo Lula suspende publicidade no X após embate entre Elon Musk e Alexandre de Moraes
Filho de Will Smith publica fotos com camisa do São Paulo; veja
Policial militar de folga é morto na Baixada Fluminense

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, conversou com agentes econômicos sobre o timing para o governo indicar o substituto do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Em encontros recentes, ouviu de empresários e banqueiros que o limite deveria ser outubro, para evitar um cenário de incertezas e garantir tempo hábil para a transição. O ministro não comenta o assunto.

O mercado, portanto, concorda com o calendário sugerido por Campos Neto, que afirma querer fazer um processo sucessório suave. Para isso, diz que é preciso previsibilidade e institucionalidade. Também avalia que, a partir de novembro, ficaria tarde, gerando risco de ruídos, principalmente se for escolhido algum nome de fora da instituição.

A Faria Lima já precificou os cotados até o momento. Seus representantes ressaltam a necessidade de saber se será alguém de banco ou não, da área macro ou microeconômica, para que tenham segurança sobre o perfil da política monetária que será tocado no BC. Isso dita a reação e o humor do mercado.

Ministro da Fazenda, Fernando Haddad Foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil

O preferido do setor é o diretor de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos, Paulo Picchetti. Mas, os analistas financeiros dizem que, embora tenha perdido tração, o diretor de Política Monetária do BC, Gabriel Galípolo, ainda aparece como favorito nessa corrida. O economista Marcelo Kayath, ex-diretor do Credit Suisse e amigo de Haddad também figura na lista.

O mandato de Roberto Campos Neto se encerra em 31 de dezembro, na primeira substituição sob o sistema de mandatos fixos no BC, iniciado em 2021. Ou seja, o escolhido não será alguém que possa ser ejetado da cadeira por qualquer crise ou desconforto. Deverá ficar no cargo por quatro anos. A indicação cabe ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner