BRAIP ads_banner

Obesidade grave em crianças pode reduzir expectativa de vida para 39 anos, aponta estudo

CasaNotícias

Obesidade grave em crianças pode reduzir expectativa de vida para 39 anos, aponta estudo

Os 50 anos do TUCA — Teatro da Pontifícia Universidade Católica
Os 89 anos do poeta Paulo Bomfim
Grupo Soweto realiza primeiro show da turnê de 30 anos; veja fotos

Crianças com obesidade grave aos 4 anos de idade e que não perdem peso ao longo do tempo podem ter uma expectativa de vida de apenas 39 anos. É o que mostra uma pesquisa apresentada no último Congresso Europeu de Obesidade, que aconteceu entre os dias 12 e 15 de maio. A idade sugerida é pouco mais do que a metade da longevidade média no Brasil, que é de 72 anos para os homens e de 79 anos para mulheres, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No País, a doença é considerada uma epidemia pelos especialistas.

O estudo, realizado pela consultoria alemã Stradoo GmbH, utilizou dados de 50 estudos clínicos existentes com cerca de 10 milhões de participantes do mundo inteiro para medir a obesidade grave com base no Escore-Z do Índice de Massa Corporal (IMC), que mostra os desvios-padrões para idade e sexo. Ainda, foram levadas em consideração quatro variáveis: idade de início da obesidade, duração da doença, gravidade do caso e uma medida dos riscos irreversíveis.

A conclusão da análise indicou que a enfermidade no grau mais grave desde a infância pode aumentar a probabilidade do desenvolvimento das chamadas doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs), como diabetes do tipo 2, doenças cardiovasculares ou respiratórias, câncer e até mesmo problemas psicoemocionais, como depressão e ansiedade.

Crianças com obesidade severa aos 4 anos e que não emagrecem ao longo do tempo têm redução drástica na expectativa de vida, revela estudo Foto: Protsenko Dmitriy/Adobe Stock

Para Tulio Konstantyner, membro do Departamento Científico de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o resultado é justificável, considerando que a obesidade tem impactos no corpo todo. “Quanto mais intensa é a doença, mais consequências vão acontecer em longo prazo. Hoje, no Brasil, as DCNTs representam cerca de 70 a 80% das causas de morte. Por conta da obesidade, essas doenças aparecem antes, assim como as complicações. Consequentemente, o risco de morrer mais cedo é maior”, explica.

No Brasil, nas últimas décadas, a expectativa de vida melhorou. Em 2019, uma pessoa tinha a expectativa de viver até os 76,6 anos, em média (73,1 anos para homens e 80,1 anos para mulheres), de acordo com os dados do IBGE. Com a pandemia da covid-19, a expectativa de vida diminuiu, mas voltou a subir em 2022. Porém, Konstantyner alerta que a estatística pode cair novamente nos próximos anos, justamente por conta da obesidade. “Uma população mais doente tende a morrer mais. A obesidade está na contramão da saúde”, ressalta o especialista.

Fatores que contribuem para a obesidade infantil

O estilo de vida de uma criança impacta diretamente na probabilidade de desenvolver a obesidade. Entre os fatores mais importantes nesse sentido estão o consumo de alimentos de baixo valor nutricional e de alta densidade calórica, além da falta de uma prática regular de atividade física.

Lívia Lugarinho, endocrinologista e coordenadora do Departamento de Obesidade Infantil da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), faz questão de chamar a atenção para o uso de telas, que contribui para o comportamento sedentário. “É muito importante que as famílias incentivem a redução do tempo de tela e o acesso a atividades que envolvam exposição ao ar livre com outras crianças”, orienta. Além disso, ela lembra do papel da atividade física em ambientes escolares.

Segundo Konstantyner, a prevenção da obesidade acontece desde a gestação e, por isso, é preciso ter um bom pré-natal. Por exemplo: o ganho de peso excessivo na gravidez ou uma alimentação de baixa qualidade nesse período contribuem para uma maior possibilidade de o bebê nascer obeso ou desenvolver obesidade ao longo da vida. A amamentação, por outro lado, surge como aliada na prevenção do quadro.

“A amamentação exclusiva até os 6 meses e, depois, de forma complementar até 2 anos ou mais, é uma estratégia importantíssima de prevenção da obesidade”, reforça o especialista da SBP. Ele observa que, embora as crianças tenham suas características genéticas, não é só isso que conta em termos de saúde. “Nos primeiros meses de vida, elas são programadas metabolicamente para o que serão no futuro” diz.

Tratamento

Nos casos mais severos da doença, o tratamento indicado é a cirurgia bariátrica. O procedimento é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas o jovem precisa ter, no mínimo, 16 anos e atender a determinados critérios. Nos outros casos, quando a cirurgia não é uma opção, Lívia afirma que existe um desafio: não há disponibilidade de medicações antiobesidade no SUS. Os remédios disponíveis são focados nas complicações, como diabetes e hipertensão. “O tratamento fica preso na mudança do estilo de vida”, conta.

E mesmo quando se fala em mudança de estilo de vida, há vários desafios a serem superados. De acordo com a médica da Abeso, é preciso ter áreas adequadas para que crianças e adultos possam fazer uma atividade física com segurança, por exemplo.

Konstantyner frisa que a obesidade é o resultado de uma transformação social, com grande influência também da alta disponibilidade de alimentos que possuem elevados teores de sal, gordura e açúcar na composição. Em algumas escolas, ainda são oferecidos doces, refrigerantes e outros produtos alimentícios que promovem a obesidade infantil. Ele crê que aumentar os impostos para itens que não são saudáveis é uma medida essencial na tentativa de prevenção e controle da doença.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner