BRAIP ads_banner

Como lidar com as mudanças regionais da FRTB

CasaNotícias

Como lidar com as mudanças regionais da FRTB

Aveia ajuda a prevenir doenças crônicas; veja quantidade recomendada e como incluí-la na dieta
Frequência cardíaca diz muito sobre seu condicionamento; veja como usá-la para melhorar seu treino
Gordura no fígado: veja riscos e como tratá-la; doença avança sem dar sinais

A Bloomberg já está fornecendo alguns desses serviços para uma seleção de clientes e mais complementos estão planejados para o restante de 2024. Não há planos para aumentar o preço.

“Nossa solução FRTB começou com uma implementação das especificações originais da Basileia III, mas quanto mais casos de uso de clientes observarmos, e quanto mais diferentes reguladores finalizarem suas próprias variações jurisdicionais da Basileia III, nosso foco principal a agenda deste ano é permitir mais flexibilidade para nossos clientes”, disse Bala Gadiyaram.

A FRTB exige que os bancos calculem os requisitos de capital para seus livros de trading usando modelos internos ou uma abordagem padronizada estabelecida por seus reguladores. No entanto, a velocidade de implementação não se manteve constante em todo o mundo. Recentemente, o Canadá tornou-se a primeira região do Ocidente a implementar a FRTB em janeiro, enquanto a União Europeia aposta em janeiro de 2025 como a data de início. Os EUA anunciaram no ano passado seus planos de implementar a FRTB em julho de 2025.

Como os clientes do MARS operam em uma ampla gama de jurisdições, a Bloomberg fez alterações em seu modelo existente para contabilizar discrepâncias regionais.

“Muitas das jurisdições com relatórios de Basileia III a partir de 2025 têm pequenas variações em termos de sua lógica de cálculo de capital, bem como dos resultados intermediários formatos de relatórios de que precisam”, disse Bala Gadiyaram.

“Efetivamente, temos todos os agrupamentos e pesos para os cálculos de capital por meio de um modelo orientado a dados que mantém a lógica em cada uma das jurisdições.”

Uma das maneiras pelas quais a Bloomberg pretende alcançar uma maior flexibilidade é se integrando melhor nas pilhas de tecnologia dos clientes. Bala Gadiyaram disse que, à medida que os clientes precisarem gerar sensibilidades ao risco por meio de outro sistema de terceiros, essas atividades podem ser inseridas no MARS para fazer cálculos de capital juntamente com posições que o MARS já capta de forma nativa.
Este, segundo ela, é o principal objetivo para 2024, juntamente com o suporte a variações jurisdicionais.

“Em todas as nossas soluções, queremos garantir que os clientes têm a maior cobertura para derivativos dos mais simples aos mais complexos. Recebemos muitos pedidos de clientes que desejam uma abordagem de visão detalhada quando se trata de portfólios de ETFs e índices, e estamos trabalhando para ajudá-los com isto também”, disse ela.

Presos em órbita

Charlie Browne, chefe de dados de mercado, risco e soluções quant da GoldenSource, afirmou que fornecedores de análise de riscos como a Bloomberg estão à mercê dos reguladores ao fazer mudanças em suas provisões da FTRB. Ele disse que havia algumas mudanças jurisdicionais a serem observadas ao implementar a FRTB; tratava-se de nuances nos pesos de risco e fatores de calibração — até que os EUA anunciaram sua metodologia preferida para implementação da FRTB.

Até que o feedback da International Swaps and Derivatives Association (Isda) sobre o Aviso de Proposta de Regulamentação dos EUA fosse divulgado, não havia muita diferença no que as regiões estavam fazendo em geral, disse Browne. “Aí vieram os EUA”.

Em 16 de janeiro, a Isda e a Securities Industry and Financial Markets Association (Sifma) enviaram uma carta conjunta à NPR da Basileia III dos EUA, na qual ambas as organizações criticaram fortemente a implementação proposta da FRTB.

“Para evitar os efeitos adversos da proposta nos mercados de capitais dos EUA e, portanto, nas empresas, consumidores, investidores e na economia mais ampla dos EUA, os componentes dos mercados de capitais da proposta devem ser materialmente revisados e outros aspectos do design geral da estrutura de capitais dos EUA precisam ser substancialmente reformulados. Se essas mudanças não puderem ser concluídas sem mais consultas, uma nova proposta pode ser necessária”, escreveram as organizações.

Browne afirmou que a inquietação do mercado sobre a implementação da FRTB nos EUA está levando os fornecedoers a fazer alterações em seu software.

“Imagino que seja por isso que a Bloomberg, ou qualquer pessoa que desenvolva sistemas de risco, esteja um pouco relutante no momento. Os EUA são o maior mercado do mundo, têm os maiores bancos do mundo e as maiores exposições em capital de risco de mercado do mundo, e aquela carta dizia que eles não concordavam com a forma como a FRTB estava sendo implementada”, disse Browne.

“O progresso da recodificação de sistemas é importante”, acrescentou. “Com grandes plataformas de risco fornecidas pela Bloomberg e outros fornecedores que têm grandes bases de clientes, e com o número de bancos que atingem globalmente — a anulação de parte disso terá um grande impacto para eles. Não é possível desenvolver um único produto para ser aplicado em todo o setor, pois o setor não está concordando sobre como ele deve ser implementado.”

Artigo escrito por Eliot Raman Jones e reproduzido da WatersTechnology.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner