BRAIP ads_banner

‘Superidosos’: como funciona o cérebro dos velhinhos mais resistentes a doenças neurodegenerativas

CasaNotícias

‘Superidosos’: como funciona o cérebro dos velhinhos mais resistentes a doenças neurodegenerativas

Sinais precoces de Alzheimer podem começar pelos olhos, sugere estudo; veja o que isso significa
STJ: Pessoa com Alzheimer só tem direito à isenção de IR quando doença causa alienação mental | Legislação
Estudo aponta três principais fatores de risco para demência; veja quais são

Quando se trata de envelhecer, tendemos a assumir que a cognição piora à medida que ficamos mais velhos. Nossos pensamentos podem se tornar mais lentos ou confusos, ou podemos começar a esquecer das coisas, como o nome do nosso professor de matemática do ensino médio ou o que pretendíamos comprar no supermercado.

Mas esse não é o caso para todos.

Por pouco mais de uma década, cientistas têm estudado um subconjunto de pessoas que eles chamam de “superidosos”. Esses indivíduos têm 80 anos ou mais, mas possuem a capacidade de memória de uma pessoa 20 a 30 anos mais jovem.

Superidosos são conhecidos por apresentarem uma capacidade de memória similar a de indivíduos 20 ou 30 anos mais jovens Foto: MIA Studio/AdobeStock

A maior parte da pesquisa sobre envelhecimento e memória foca no outro lado da equação — pessoas que desenvolvem demência em seus últimos anos. Porém, “se estamos constantemente falando sobre o que está dando errado no envelhecimento, isso não captura todo o espectro do que está acontecendo na população de adultos mais velhos”, diz Emily Rogalski, professora de neurologia na Universidade de Chicago, que publicou um dos primeiros estudos sobre superidosos em 2012.

Um artigo publicado recentemente no Journal of Neuroscience ajuda a esclarecer o que há de tão especial no cérebro dos superidosos. A maior descoberta, em combinação com um estudo que saiu no ano passado sobre o mesmo grupo de indivíduos, é que o cérebro deles tem menos atrofia do que o de seus pares.

A pesquisa foi conduzida com 119 octogenários da Espanha: 64 superidosos e 55 adultos mais velhos com habilidades de memória normais para a idade deles. Os participantes completaram múltiplos testes avaliando a memória e as habilidades motoras e verbais; passaram por varreduras cerebrais e coletas de sangue; e responderam perguntas sobre estilo de vida e comportamento.

Os cientistas descobriram que os superidosos tinham mais volume em áreas do cérebro importantes para a memória, mais notavelmente o hipocampo e o córtex entorrinal. Eles também tinham uma conectividade melhor preservada entre regiões na parte frontal do cérebro que estão envolvidas na cognição. Tanto os superidosos quanto o grupo de controle mostraram sinais mínimos da doença de Alzheimer no cérebro.

“Tendo dois grupos que têm baixos níveis de marcadores de Alzheimer, mas diferenças cognitivas marcantes e diferenças impressionantes em seu cérebro, então estamos realmente falando de uma resistência ao declínio relacionado à idade”, analisa Bryan Strange, professor de neurociência clínica na Universidade Politécnica de Madrid, que liderou os estudos.

Esses achados são corroborados pela pesquisa de Rogalski, inicialmente conduzida quando ela estava na Universidade Northwestern, que mostrou que o cérebro dos superidosos parecia mais com o de indivíduos de 50 ou 60 anos do que com o de seus pares de 80 anos. Quando acompanhados ao longo de vários anos, o cérebro dos superidosos atrofiou em um ritmo mais lento do que a média.

Não existem números precisos sobre quantos superidosos existem entre nós, mas Rogalski disse que eles são “relativamente raros”, observando que “menos de 10%” das pessoas que ela vê acabam atendendo aos critérios.

Mas quando você encontra um superidoso, você sabe, afirma Strange. “Eles são realmente pessoas bastante energéticas, você pode ver. Motivadas, ligadas”.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Especialistas não sabem como alguém se torna um superidoso, embora houvesse algumas diferenças nos comportamentos de saúde e estilo de vida entre os dois grupos no estudo espanhol. Mais notavelmente, os superidosos tinham uma saúde física ligeiramente melhor, tanto em termos de pressão arterial quanto de metabolismo da glicose, e eles se saíram melhor em um teste de mobilidade.

Os superidosos não relataram fazer mais exercícios na sua idade atual do que os adultos mais velhos típicos, mas eles eram mais ativos na meia-idade. Eles também relataram uma melhor saúde mental.

Mas, no geral, Strange revela que havia muitas semelhanças entre os superidosos e os idosos regulares. “Há muitas coisas que não são particularmente impressionantes sobre eles”, diz. E, ele acrescenta, “vemos algumas omissões surpreendentes, coisas que você esperaria estar associadas a superidosos e que realmente não estavam lá.” Por exemplo: não houve diferenças entre os grupos em termos de alimentação, quantidade de sono, seus antecedentes profissionais ou seu uso de álcool e tabaco.

Os comportamentos de alguns superidosos de Chicago foram igualmente uma surpresa. Alguns se exercitavam regularmente, mas alguns nunca o fizeram; alguns seguiam uma dieta mediterrânea, outros sobreviviam de jantares em frente à televisão; e alguns deles ainda fumavam cigarros. No entanto, uma consistência entre o grupo era que os indivíduos tendiam a ter fortes relações sociais, comenta Rogalski.

“Em um mundo ideal, você descobriria que todos os superidosos comiam seis tomates todos os dias e essa era a chave”, brinca Tessa Harrison, uma cientista assistente de projeto na Universidade da Califórnia, Berkeley, que colaborou com Rogalski no primeiro estudo sobre superidosos de Chicago.

Em vez disso, segundo Harrison, os superidosos provavelmente têm “algum tipo de predisposição sortuda ou algum mecanismo de resistência no cérebro que está no nível molecular que ainda não entendemos”, possivelmente relacionado aos seus genes.

Embora não exista uma receita para se tornar um superidoso, os cientistas sabem que, em geral, comer de forma saudável, manter-se fisicamente ativo, dormir o suficiente e manter conexões sociais são fatores importantes para um envelhecimento saudável do cérebro.

c.2024 The New York Times Company

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner