BRAIP ads_banner

Ponto Chic faz 102 anos em busca de manter aura de ‘jovem senhor’

CasaNotícias

Ponto Chic faz 102 anos em busca de manter aura de ‘jovem senhor’

Venda de imóvel usado em SP dispara em 2024; veja ranking de bairros e entenda motivos
Honda anuncia R$ 4,2 bi em investimentos no Brasil até 2030, após reunião com Lula
‘Ficha nacional’ de antecedentes vai rastrear criminoso para impedir que vire CAC

O Ponto Chic acaba de chegar a uma marca impressionante: no finalzinho do mês de março, o restaurante paulistano soprou 102 velinhas. A casa, que é uma das mais antigas da cidade ao lado da padaria Santa Tereza, fundada em 1872, tem motivos de sobra pra comemorar, com salões sempre lotados e a busca de manter a aura de “jovem senhor”.

Quem dá essa descrição de “jovem senhor” é Rodrigo Alves, proprietário e quarta geração da família à frente do Ponto Chic. Segundo ele, o segredo para o negócio em um restaurante centenário chegar nessa marca é a constante atualização — seja do cardápio, do serviço ou até mesmo da forma de funcionamento, agora com delivery por aplicativo.

Pão, queijo, tomate, pepino e rosbife: a receita do tradicional bauru  Foto: TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

“O Ponto Chic é um jovem senhor de 102 anos. No DNA da empresa, ele nunca envelheceu. Sempre se manteve atual, sempre trazendo as tendências, a necessidade do cliente, o que o cliente procurava. Foi se adaptando e se renovando, mas mantendo a tradição”, contextualiza Rodrigo, em entrevista ao Paladar. “Somos fiéis à tradição, entregando a experiência tradicional, sem impedir que o restaurante se adaptasse”.

Guardiã do bauru

Hoje, afinal, a casa continua sendo uma “guardiã” da receita tradicional do bauru, criada por um cliente da casa. Segundo conta a história, Casimiro Pinto Neto, aluno da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, era cliente fiel do Ponto Chic e levava o apelido de Bauru, cidade onde nasceu. Em 1937, chegou com fome ao restaurante e deu as instruções ao sanduicheiro Carlos: abre um pão francês, tira o miolo e bota um pouco de queijo derretido dentro. Depois disso, já fechando o pão, Casimiro pediu ainda umas fatias de roast beef e mais umas fatias de tomate. A partir daí, amigos começaram a pedir o “lanche do Bauru”.

No entanto, mesmo com o sucesso do bauru e que se mantém inequivocamente como a estrela da casa, com 146 mil unidades vendidas em 2023, o Ponto Chic também busca novas experiências. “Nas décadas de 1980 e 1990, quando o beirute veio com força, introduzimos no cardápio. Agora, mais recente, o hambúrguer vegetal. Tudo isso vai se adaptando e vamos mantendo a perpetuidade do restaurante”, contextualiza o proprietário.

Três gerações do Ponto Chic: Antonio, José Carlos e Rodrigo Alves de Souza – respectivamente, avô, pai e filho Foto: Hélvio Romero/Estadão

Assim, é nessa perpetuidade que o Ponto Chic mantém o charme: ainda que tenha uma grande competição com outras casas na região da Avenida Paulista, onde fica a sua principal unidade, consegue fazer fila na porta durante a semana. Passam por ali uma miríade de pessoas diversas, indo desde o que está a passeio, passando por funcionários de empresas da região e até aqueles que param rapidinho só pra comer um lanche.

Hoje, o grande desafio da casa é um que persegue as gerações à frente do Ponto Chic há anos: expandir para novas unidades em São Paulo. Mas Rodrigo avisa: não é o momento. “É um sonho, mas não para agora”, diz. “Estamos focando na força da marca e no bom andamento das três unidades já existentes. A pandemia foi um fator negativo para o setor e, no momento, o compromisso está no bom gerenciamento das unidades, mas sempre olhando no crescimento de maneira organizada”.

Aves acredita que, hoje, o Ponto Chic se mescla com a cidade. “Ele acabou ultrapassando a barreira de ser apenas uma lanchonete ou um restaurante. Se tornou um guardião das tradições de São Paulo, de como é servido o bauru, da receita original e do clima. Isso traz a aura desde os frequentadores lá do início”, afirma, citando os modernistas, jornalistas e intelectuais que faziam de lá uma “segunda casa”. “Muita gente passou pelas mesas do Ponto Chic e a história de São Paulo foi acontecendo com o Ponto Chic como espectador”.

Endereços do Ponto Chic

PAISSANDU

Largo do Paissandu, 27.

Tel.: (11) 3222-6528

PERDIZES

Largo Padre Péricles, 139.

Tel.: (11) 3826-0500

PARAÍSO

Praça Oswaldo Cruz, 26.

Tel.: (11) 3289-1480

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner