BRAIP ads_banner

A inflação baixou. E os juros?

CasaNotícias

A inflação baixou. E os juros?

Ações do governo para baratear a conta de luz: mais do mesmo não resolve, só adia
40% dos brasileiros acham que economia estará melhor em seis meses, diz Ipec
Cuba pede que EUA aliviem sanções que estrangulam economia da ilha

Quase ninguém esperava essa inflação tão baixa em março, de apenas 0,16%, a mais baixa desde junho do ano passado. Com isso, a inflação acumulada em 12 meses caiu para 3,95% – embicando para a meta de 3%.

Grande parte da alta sazonal (de virada de ano) parece ter-se concentrado em fevereiro. No entanto, o mais importante agora é ver como fica a política de juros a partir desses novos números.

Enquanto membros do governo externavam preocupação com a inflação dos alimentos, os diretores do Banco Central chamavam mais a atenção para a inflação dos chamados serviços subjacentes. Alguns deles chegaram a sugerir que esta última podia estar sendo produzida por aumento da demanda cuja origem estaria no súbito aumento da renda, em consequência do pleno-emprego em alguns setores.

A alta dos alimentos continua relativamente forte (de 0,53%), mais concentrada na cebola, tomate e ovos, por conta da redução da produção. Nesse caso, não há muito o que fazer, a não ser importar, função que não cabe ao Banco Central. Em compensação, a inflação dos serviços está bem mais atenuada. Saiu de alta de 1,06%, em fevereiro, para 0,10%, em março, mas o subgrupo dos serviços subjacentes mantém-se elevado, em 0,45%.

Após a última reunião do Copom, os debates se concentram sobre o que deverá acontecer a partir de junho, manter o nível de corte em 0,5 ponto porcentual (p.p.) dos juros básicos (Selic) ou optar por um corte de 0,25 ponto porcentual. Essa decisão é muito importante para quem tem altas contas a pagar e depende do comportamento dos juros futuros.

Em princípio, essa inflação mais baixa reforça as apostas pela manutenção do atual ritmo de corte. Mostra, entre outras coisas, que o tal aumento da demanda pelo poder aquisitivo mais forte não está empurrando a inflação para cima. Mas continuam atuando duas fontes de preocupação, além do aumento da renda: a gastança do governo Lula, que segue despejando mais recursos no mercado, na contramão do que faz o Banco Central; e a forte alta do petróleo, que exige reajustes no preço dos combustíveis.

Grande defasagem no preço dos combustíveis em relação aos preços do PPI é um dos grandes pontos de atenção para a inflação nos próximos meses.  Foto: Denis Ferreira Netto/Estadão

Setores do PT e do governo continuam vociferando contra a “alta burra dos juros”. Mas, em matéria de política monetária, eles não passam de bois olhando para o palácio. Melhor ficar com a opinião da revista The Economist que passou o recado de que os grandes bancos centrais deveriam agir como os bancos centrais do Brasil e do Chile.

A vacilação do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e do Banco Central Europeu (área do euro) em derrubar os juros pode provocar um efeito colateral indesejado. Pode reduzir ainda mais a diferença entre os juros reais daqui e dos Estados Unidos e desestimular o desembarque de capitais no mercado interno, algo que já está ocorrendo, e é um dos fatores responsáveis por certa alta das cotações do dólar em reais.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner