BRAIP ads_banner

Petrobras tem que se preocupar em recuperar reservas e se preparar para menor demanda, diz diretor | Empresas

CasaNotícias

Petrobras tem que se preocupar em recuperar reservas e se preparar para menor demanda, diz diretor | Empresas

Desenhos próximos a pegadas fossilizadas no Brasil indicam consciência dos indígenas sobre dinossauros
Livro e exposição resgatam chegada do zepelim ao Brasil
Galeão sai de 10º para 4º aeroporto mais movimentado do Brasil após restrição no Santos Dumont | Empresas

A Petrobras tem que se preocupar em recuperar reservas de petróleo e gás e se preparar para um futuro com demanda menor de combustíveis fósseis, diante da perspectiva de redução de demanda nas próximas décadas, disse nesta quarta-feira (28) o diretor de transição energética e sustentabilidade, Mauricio Tolmasquim.

  • Brasil deve ficar sem leilão de petróleo pela primeira vez desde 2017
  • Paralisação no Ibama preocupa petroleiras

Segundo ele, que participa do Fórum Ibef-Rio – Óleo e Gás para um Futuro Sustentável, no Brasil há perspectiva de declínio das reservas a partir de 2030 e no mundo existem cenários que projetam queda na demanda. Ele citou como exemplo o setor de transportes de passeio deve ter redução de 50% no consumo de combustíveis derivados de petróleo até 2050.

O executivo reiterou o alto potencial de geração renovável do país: só a energia solar teria condições de suprir em dez vezes a atual carga de energia, da ordem de 90 gigawatts (GW) médios. Da mesma forma eólicas terrestres têm potencial de 700 GW adicionais, disse Tolmasquim.

Nesta linha, ressaltou, a Petrobras tem planos de centrar esforços em quatro produtos: energia eólica e solar, gás natural, combustíveis renováveis (diesel e querosene de aviação verdes) e captura e armazenamento de carbono. Além disso, a empresa estuda projetos de hidrogênio verde.

Tolmasquim destacou que a descarbonização da economia vai ser feita por meio da eletrificação, com perspectiva de triplicar a demanda nos próximos dez anos.

“Hoje, há mais oferta de energia do que demanda, mas isso deve ser visto como uma oportunidade”, afirmou ele.

Coordenador do grupo técnico de Minas e Energia, Mauricio Tolmasquim — Foto: José Cruz/Agência Brasil

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner