BRAIP ads_banner

Mercado eleva previsão da Selic para 2024 pela primeira vez desde outubro

CasaNotícias

Mercado eleva previsão da Selic para 2024 pela primeira vez desde outubro

‘Antes, viramos robôs. Com IA, temos de focar nas habilidades humanas’, diz professor de Stanford
Com falhas de Cássio, Corinthians é derrotado pelo Juventude no Brasileirão
Quase 40% das pessoas não querem ser promovidas em meio a mercado de trabalho desgastante, diz pesquisa

Analistas consultados pelo Banco Central revisaram para cima a projeção da taxa básica de juros, a Selic, para o fim deste ano. Segundo o Boletim Focus, divulgado nesta terça-feira, 16, o mercado brasileiro estima que a taxa encerre o ano em 9,13%, acima dos 9%. Essa é a primeira revisão nas projeções da Selic em mais de 15 semanas.

O mercado passou a ver um cenário mais complicado para as taxas de juros tanto pela conjuntura global quanto por fatores domésticos. Olhando para o exterior, o ritmo de quedas de juros nos Estados Unidos, que pode ser bem mais lento que o estimado no início do ano, deixa o BC brasileiro mais cauteloso em relação ao processo de afrouxamento monetário, podendo reduzir o ritmo nos cortes de juros — conforme sinalizado na última ata do Copom, de março. Atualmente, a taxa está em 10,75% ao ano.

Juros altos nos EUA significam investimentos em renda fixa mais atrativos que ativos de países emergentes, o que mexe com o câmbio e, consequentemente, com a inflação — já que commodities tanto agrícolas como de energia são cotadas em dólar.

Na segunda-feira, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que não não há como negar que o patamar do juro norte-americano influencia a economia brasileira. O ministro ponderou, no entanto, que ainda há espaço para o Banco Central brasileiro promover cortes na taxa Selic, hoje em 10,75%. “Temos espaço na política monetária. 10,75% (juro no Brasil) contra 5,5%, 5,25% (juro norte-americano), ainda temos um caminho para cortar juros, mas todo mundo fica preocupado com a taxa terminal”, disse.

Do lado interno, há um aumento de preocupações com a política fiscal. Na segunda-feira, o governo federal anunciou uma revisão na meta fiscal para os próximos anos. Para 2025, o governo desistiu de perseguir um superávit primário de 0,5% do PIB e agora prevê o déficit zero.

Continua após a publicidade

As projeções para os juros de 2025 e 2026 permaneceram  as mesmas: em 8,5%. A próxima reunião do Copom está marcada para os dias 7 e 8 de maio.

PIB e inflação

O mercado financeiro voltou a subir a projeção para o crescimento da economia brasileira: de 1,9% para 1,95% nesta semana. Os dados ainda ficam abaixo da projeção do executivo, que espera um PIB de 2,2% neste ano. Foi a nona semana seguida de revisão para cima para o PIB.

A mediana das projeções dos economistas do mercado para a inflação voltou a cair, agora de 3,76% para 3,71%. Para 2025, a mediana das expectativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo subiu de 3,53% para 3,56%. Para 2026, permaneceu em 3,50%.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner