BRAIP ads_banner

Líderes mundiais reagem ao ataque do Irã contra Israel e apelam por contenção do conflito

CasaNotícias

Líderes mundiais reagem ao ataque do Irã contra Israel e apelam por contenção do conflito

Israel e Irã: o que se sabe sobre ataque aéreo até agora
Após sobreviver a ataque aéreo, menino palestino morre em busca de ajuda
Ministro israelense pede resposta “desproporcional” que “abalará Teerã” após ataque do Irã

A reação aos ataques do Irã a Israel tem vindo de líderes mundiais, alguns condenando abertamente Teerão, outros apelando a um cessar-fogo imediato em Gaza e quase todos apelando à contenção durante um momento de enorme tensão no Oriente Médio.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que os EUA “se dedicam à defesa de Israel”.

“O nosso compromisso com a segurança de Israel contra as ameaças do Irã e dos seus representantes é inflexível”, disse Biden num comunicado.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou à suspensão imediata das hostilidades no Oriente Médio.

“Exorto todas as partes a exercerem a máxima contenção para evitar qualquer ação que possa levar a grandes confrontos militares em múltiplas frentes no Médio Oriente”, disse Guterres em publicação no X.

“Tenho sublinhado repetidamente que nem a região nem o mundo podem permitir-se outra guerra.”

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, disse que os ataques “demonstram mais uma vez o desrespeito do regime iraniano pela paz e estabilidade na região. Apoiamos o direito de Israel de se defender e ao seu povo destes ataques”.

A China expressou “profunda preocupação” com a “atual escalada”, de acordo com um porta-voz do seu Ministério dos Negócios Estrangeiros no domingo, acrescentando que era uma “repercussão do conflito de Gaza” e que um cessar-fogo deveria ser implementado sem demora.

Pequim apelou “às partes relevantes para que exerçam calma e moderação para evitar novas escaladas”.

O Paquistão disse que os ataques foram “consequências do colapso da diplomacia”.

“Durante meses, o Paquistão sublinhou a necessidade de esforços internacionais para evitar a expansão das hostilidades na região e para um cessar-fogo em Gaza”, dizia uma declaração do governo.

A Arábia Saudita, um importante rival regional do Irão, sublinhou a importância de “prevenir qualquer agravamento” da crise, alertando para “consequências terríveis” caso a situação piore.

O Ministério das Relações Exteriores do Egito classificou os últimos acontecimentos como uma “escalada perigosa”.

Afirmou que as últimas hostilidades “nada mais foram do que um resultado direto daquilo que o Egito tem alertado repetidamente, relativamente aos perigos da expansão do conflito na região como resultado da guerra israelita na Faixa de Gaza, e das ações militares provocativas exercidas em a região.”

O Qatar, que desempenha um papel vital em muitos conflitos no Oriente Médio e desfruta de relações económicas estreitas com o Irão, expressou “profunda preocupação” e apelou a todas as partes para “cessarem a escalada, acalmarem as tensões e exercerem a máxima contenção”.

Em uma declaração no X, o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak disse que o Reino Unido continuaria a defender a segurança de Israel e de todos os seus parceiros regionais, incluindo a Jordânia e o Iraque.

A isto somaram-se também declarações de líderes de países europeus como Alemanha , Dinamarca, França, Noruega e Áustria.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, classificou os ataques como “flagrantes e injustificáveis”.

“Todos os intervenientes devem agora abster-se de uma nova escalada e trabalhar para restaurar a estabilidade na região”, disse Von der Leyen.



Fonte: Externa

BRAIP ads_banner