BRAIP ads_banner

CasaNotícias

Instituto busca crianças com câncer no RS para que tratamento não pare

Corinthians divulga lista para o Brasileiro; 12 serão cortados na estreia
Fuga e perseguição em Ford branco marcaram caso de O.J. Simpson
Victoria Beckham comemora 50 anos: “Estou apenas começando“

Antes, aos finais de semana, a rotina da técnica de nutrição Luciana Lombardi, de 50 anos de idade, era de recreação com crianças em tratamento de câncer. Todos os dias, também, acolhia os pequenos em cuidados paliativos em dois hospitais de Porto Alegre. Hoje, após o desastre das enchentes no Rio Grande do Sul, o cotidiano virou de busca por pequenos pacientes que estão com dificuldades de irem para a quimioterapia.

Luciana Lombardi é uma das voluntárias do Instituto do Câncer Infantil, em Porto Alegre (RS), e tem usado o próprio carro para ir de casa em casa a fim de saber das famílias se elas precisam de ajuda, ajudar no transporte, para que o tratamento “não pare de jeito nenhum”.

 “As crianças e suas famílias já passam por momentos tão delicados… Não queremos que nada deixe elas mais preocupadas nem com medo. Ao contrário, o amor e a coragem sempre tomam conta dos nossos momentos”, emocionou-se a voluntária.

Brasília (DF) 11/05/2024 - Instituto busca crianças com câncer no RS para que tratamento não pare 
Foto: Instituto do Câncer Infantil/Divulgação
Brasília (DF) 11/05/2024 - Instituto busca crianças com câncer no RS para que tratamento não pare 
Foto: Instituto do Câncer Infantil/Divulgação

Instituto busca crianças com câncer no RS para que tratamento não pare Foto: Instituto do Câncer Infantil/Divulgação

O Instituto do Câncer Infantil é uma entidade filantrópica, sem fins lucrativos, que atualmente atende mais de 500 crianças de 153 municípios do Rio Grande do Sul. A equipe do instituto conseguiu contato, até agora, com 278 famílias para levantar a necessidade de cada uma a fim de que nenhum serviço seja interrompido.

A entidade ainda não tem a quantidade de famílias que não conseguiram voltar para o tratamento em função de estarem isoladas ou atravessarem outros tipos de problemas. Três crianças continuaram na casa do instituto em função de não haver condições de voltar para suas cidades depois da tragédia das cheias no estado.

A sede da instituição oferece abrigo durante o dia com espaço para banho e alimentação dos pacientes e familiares. “O ICI está realizando o transporte dos pacientes que necessitam de deslocamento para ir aos hospitais para realização de quimioterapia e radioterapiar”, explicou a gerente institucional Valéria Foletto.

Fonte Externa

BRAIP ads_banner