BRAIP ads_banner

EUA preveem ataque do Irã contra Israel, mas esperam não entrar na guerra

CasaNotícias

EUA preveem ataque do Irã contra Israel, mas esperam não entrar na guerra

Papa Francisco oferece orações a vítimas do ataque a faca em shopping em Sydney
“Está claro que Israel responderá ao ataque do Irã“, diz chanceler britânico
Após ataque do Irã, Hezbollah diz que lançou foguetes contra sede da defesa aérea de Israel

Os Estados Unidos esperam um ataque do Irã contra Israel, mas um ataque que não seja grande o suficiente para levar os EUA à guerra, disse uma autoridade norte-americana na noite desta quinta-feira (11).

A Casa Branca disse mais cedo que o governo norte-americano não queria que o conflito se espalhasse no Oriente Médio e que os EUA haviam dito ao Irã que não estavam envolvidos em um ataque aéreo contra um importante comandante militar iraniano em Damasco.

A Casa Branca acrescentou que advertiu o Irã para que não usasse esse ataque como pretexto para aumentar ainda mais a escalada na região.

Aviões de guerra supostamente israelenses bombardearam a embaixada do Irã em Damasco em um ataque pelo qual o Irã prometeu vingança e no qual um general iraniano de alto escalão e seis outros oficiais militares iranianos foram mortos, aumentando a tensão em uma região já tensa pela guerra de Gaza.

Fontes iranianas disseram à Reuters que Teerã sinalizou a Washington que responderá ao ataque de Israel à sua embaixada na Síria de forma a evitar uma escalada maior e que não agirá precipitadamente, já que Teerã pressiona por demandas que incluem um cessar-fogo em Gaza.

Os Estados Unidos estão em alerta máximo sobre possíveis ataques retaliatórios do Irã e os diplomatas dos EUA têm trabalhado para diminuir as tensões.

O grupo islâmico palestino Hamas atacou Israel em 7 de outubro, matando 1.200 pessoas, de acordo com os registros israelenses. Desde então, o ataque militar de Israel a Gaza, governada pelo Hamas, matou mais de 33.000 pessoas, de acordo com o Ministério da Saúde local, deslocou quase toda a população de 2,3 milhões de habitantes de Gaza, causou uma crise humanitária e levou a alegações de genocídio que Israel nega.

Grupos apoiados pelo Irã declararam apoio aos palestinos, realizando ataques a partir do Líbano, Iêmen e Iraque. O governo iraniano tem evitado o confronto direto com Israel ou com os Estados Unidos, ao mesmo tempo em que declara apoio a seus aliados.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner