BRAIP ads_banner

Descoberta em pirâmide revela colapso dramático da dinastia maia, dizem arqueólogos

CasaNotícias

Descoberta em pirâmide revela colapso dramático da dinastia maia, dizem arqueólogos

Tarcísio reúne equipe e cobra liberação de emendas, dizem fontes
Sirenes são acionadas no norte de Israel após ataque contra Irã, dizem militares
EUA dizem que não vão renovar alívio de sanções ao petróleo da Venezuela

Arqueólogos descobriram recentemente os ossos queimados de pelo menos quatro adultos que provavelmente eram membros de uma linhagem real em um antigo templo-pirâmide maia na Guatemala. A queima indicava uma profanação deliberada e potencialmente pública de seus restos mortais, de acordo com uma nova pesquisa.

Os ossos oferecem um raro vislumbre da destruição intencional de cadáveres na cultura maia para comemorar uma mudança política dramática.

Todos os restos mortais pertenciam a adultos, e os cientistas identificaram três dos indivíduos do sexo masculino. Dois deles tinham entre 21 e 35 anos e um tinha entre 40 e 60 anos, informaram os pesquisadores na quinta-feira (18) na revista Antiquity.

Entre os ossos havia milhares de objetos queimados — inteiros e em pedaços — incluindo adornos corporais feitos de greenstone (minerais verdes, incluindo jade), pingentes feitos de dentes de mamíferos, contas de conchas, mosaicos e armas. Sua riqueza e abundância indicavam o status real das pessoas na tumba.

Contudo, esse processo de queima de artefatos e restos mortais era incomum para a realeza, assim como sua colocação nessa câmara da pirâmide.

A revelação lançou luz sobre o surgimento de um novo tipo de líder que provavelmente redefiniu o poder durante um período de transformação social, disseram os autores do estudo.

Em 2022, os cientistas encontraram os ossos queimados e os objetos do túmulo no fundo de uma sala embaixo de um templo, sob um amontoado de materiais de construção.

O enterro estava sob cerca de 1,5 metro de grandes blocos de pedra normalmente usados para a construção de fachadas — um arranjo inesperado para pessoas de ascendência real, disse a autora principal do estudo, Dra. Christina T. Halperin, professora associada de antropologia da Universidade de Montreal.

Normalmente, as sociedades maias mantinham os restos mortais da realeza em espaços acessíveis onde os visitantes podiam fazer oferendas. Em comparação, essa câmara “não tem todos os sinais reveladores do que normalmente seria um enterro real”, disse Halperin.

Ela acrescentou que “eles simplesmente a jogaram em um único local. E depois jogaram todo o material de construção em cima dela”.

O encolhimento e a deformação dos ossos carbonizados e quebrados sugerem que eles foram queimados em um grande inferno a uma temperatura de mais de 1.472 graus Fahrenheit (800 °C).

A datação por radiocarbono — análise das taxas de decaimento dos isótopos de carbono para determinar a idade de um objeto — mostrou que a queima ocorreu por volta de 773 a 881.

No entanto, a análise também revelou que as pessoas haviam morrido décadas antes; possivelmente até um século antes de seus esqueletos serem queimados, sugerindo que o fogo estava ligado a eventos que se desenrolaram muito depois de suas mortes, escreveram os cientistas.

“Esse é um depósito fascinante de restos humanos queimados e objetos preciosos claramente ligados à realeza”, disse o Dr. Stephen Houston, professor de antropologia e história da arte e arquitetura da Brown University em Providence, Rhode Island, à CNN em um e-mail.

“Halperin é um de nossos mais talentosos trabalhadores de campo (…) Esse artigo exemplifica como devemos interpretar restos mortais incomuns”, disse Houston.

Os pesquisadores descobriram os restos mortais em um local chamado Ucanal, localizado a cerca de 400 km ao norte da Cidade da Guatemala.

A antiga metrópole era a capital do reino maia de K’anwitznal e, durante o auge de Ucanal, aproximadamente de 630 a 1000, os assentamentos da cidade cobriam cerca de 10 milhas quadradas (26 km²).

Por volta do início do século IX, quando os restos mortais foram queimados, registros maias esculpidos descreveram os feitos de um novo governante chamado Papmalil. O nome não aparecia em esculturas anteriores, “e pode ter sido de origem estrangeira”, traçando suas raízes com povos maias de outra região, segundo o estudo.

Diferentemente da realeza que o precedeu, o título oficial de Papmalil — “ochk’in kaloomte”, ou “senhor do oeste” — era associado a líderes militares, disse Halperin.

Mudanças importantes nas alianças políticas, o desmantelamento de monumentos antigos da elite e a criação de novos edifícios públicos também marcaram esse período histórico. Uma cerimônia de queima dos ossos de governantes anteriores pode ter destacado a mudança na liderança, relataram os pesquisadores.

A profanação ritual de restos mortais reais pelo fogo não era desconhecida na cultura maia. Os maias tinham até um termo para isso: “och-i k’ak’ t-u-muk-il, ‘o fogo entrou em sua tumba””, escreveram os pesquisadores.

No entanto, não havia marcas de queimaduras na câmara onde os ossos e artefatos foram encontrados, o que sugere que a queima ocorreu em outro lugar.

“Pode ter sido queimado na própria tumba original; pode ter sido queimado em um espaço de praça pública”, disse Halperin. Mas onde quer que os restos mortais tenham sido queimados, um incêndio dessa escala não teria passado despercebido.

“Foi uma queima tão extraordinária que teve que ser conhecida pelo público em geral”, disse ela. Após o incêndio, a colocação dos restos mortais enegrecidos no grande templo-pirâmide provavelmente fez parte de outras cerimônias que comemoravam a ascensão de Papmalil ao poder.

Encontrar evidências maias antigas que fazem referência a mudanças sociais transformadoras “é realmente empolgante”, disse Halperin.

Ele explicou que “sabemos muito pouco sobre a política que está acontecendo nessa época e, portanto, é um evento importante que nos ajuda a reconhecer uma transição política. Ele realmente enfatiza que, sim, as dinastias políticas entraram em colapso.

Mas também há uma renovação e uma reformulação da sociedade em diferentes áreas do mundo maia”, acrescentou a professora.

Essa coleção enigmática de ossos queimados e artefatos reais, jogados em uma câmara e cobertos por aterro de construção, “é bem esclarecida por ligações rituais com práticas conhecidas dos hieróglifos maias e com o advento de uma pessoa exaltada, embora estrangeira, nos registros históricos”, disse Houston.

“Uma escavação mais ampla em Ucanal pode revelar outras ondulações nessa mudança de dinastias, talvez na forma de edifícios incendiados ou mudanças rápidas nos artefatos”.

A descoberta também fornece informações sobre a persistência e a continuidade da cultura maia, acrescentou Halperin.

“Ela ajuda a ressaltar o fato de que as sociedades maias não terminaram quando seus sistemas políticos mudaram”, disse ela.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner