BRAIP ads_banner

Basileia III endgame e finalização da implementação da FRTB

CasaNotícias

Basileia III endgame e finalização da implementação da FRTB

Com falhas de Cássio, Corinthians é derrotado pelo Juventude no Brasileirão
Maps exibirá obras sobre sobrevivência das comunidades negra e LGBT+ nos EUA
Arqueólogas descobrem no Rio de Janeiro antigo caminho secreto de dom Pedro I

A proposta dos EUA, que foi emitida em 27 de julho de 2023, surgiu após o colapso do Silicon Valley Bank e do Signature Bank, e da subsequente turbulência no setor bancário, o que levou os reguladores, que ainda estavam no processo de redação da proposta, a reconsiderar o escopo e a aplicabilidade dos componentes principais da estrutura do Acordo de Basileia III.

Após a emissão da proposta e ao longo do outono, o Congresso realizou audiências para explorar o impacto da proposta no setor bancário e forneceu aos membros a oportunidade de expressar uma série de raciocínios e preocupações.

Embora as apreensões com a proposta tenham sido bipartidárias, a oposição à proposta tem sido especialmente forte entre os republicanos. Não muito tempo após seu lançamento, a bancada republicana da Câmara exigiu que os reguladores revogassem a proposta, argumentando que ela era fatalmente falha e representava uma tentativa de reverter a Lei de Crescimento Econômico, Alívio Regulatório e Proteção ao Consumidor de 2018.

Esse projeto de lei, que aumentava certos limites de capital de US$ 50 bilhões para US$ 250 bilhões e introduziu uma abordagem personalizada para o capital bancário necessário, foi analisado durante o governo Trump e foi caracterizado por alguns como uma “reversão” das reformas da Lei Dodd-Frank pós-crise de 2008.

Os democratas também expressaram receios com a proposta do “Basileia III Endgame” em várias frentes, incluindo o fato de que a proposta tornaria mais difícil para os bancos fazerem empréstimos sob um “programa de crédito para fins especiais”, que visa facilitar a obtenção de empréstimos para habitação por indivíduos de comunidades historicamente desfavorecidas e aumentar a quantidade de capital que os bancos precisam manter para investir em créditos fiscais de energia limpa.

Nos meses que antecederam o lançamento da proposta, autoridades envolvidas em seu desenvolvimento indicaram que, após o colapso dos bancos Silicon Valley e Signature, a proposta acabaria aumentando os requisitos de capital em todos os bancos com US$ 100 bilhões ou mais em ativos totais. Em linhas gerais, a proposta exigiria que os bancos com ativos totais de US$ 100 bilhões ou mais incluíssem ganhos e perdas não realizados em determinados ativos em seus índices de capital, atendessem à exigência de um ratio de alavancagem adicional e cumprissem o buffer de capital contracíclico, se ativado.

A proposta foi bem coreografada antes de seu lançamento, mas isso não resultou em uma aprovação unânime, com o FRB votando 4 a 2 a favor e o FDIC votando 3 a 2 a favor. Mesmo entre aqueles que votaram para aprovar a proposta, o presidente Powell indicou uma abertura para “possíveis modificações”. Em especial, o presidente expressou interesse por feedback público sobre:

  • A calibração dos aumentos de capital propostos, tanto em geral quanto em áreas específicas, como atividades de mercado de capitais e risco operacional.
  • A garantia de equilíbrio certo para empresas com ativos entre US$ 100 bilhões e US$ 250 bilhões.
  • A garantia de consistência e para que os benefícios anti-arbitragem das novas abordagens padronizadas propostas superem os custos de tratar algumas atividades bastante diferentes como idênticas, o que o presidente acredita que poderia reduzir a captura de riscos e desencorajar atividades menos arriscadas.

Analisando mais de perto, a proposta revisa o sistema de capital para bancos com ativos totais de US$ 100 bilhões ou mais em quatro áreas principais: risco de crédito, risco de mercado, risco operacional e risco de ajuste de valuation de crédito. Em suma, a proposta reduz significativamente as diferenças entre as quatro categorias de bancos (Categorias I-IV, segmentadas por ativos totais), que foram estabelecidas em 2019 para fins de criação de requisitos regulatórios de capital. Organizações bancárias das categorias III e IV com ativos consolidados totais entre US$ 100 e US$ 700 bilhões sofreriam as maiores mudanças, com os cálculos de capital agora sendo mais alinhados com os atualmente aplicáveis aos bancos das categorias I e II.

A proposta também altera o tratamento de capital de hipotecas unifamiliares, aumentando as ponderações de risco e impactando possivelmente a participação de bancos maiores em empresas relacionadas a hipotecas; e exigiria que as empresas usassem uma abordagem expandida baseada em riscos para calcular as exigências de capital de risco de crédito, afastando-se da abordagem de modelo interno e proporcionando maior sensibilidade ao risco.

Isso é um resumo desta proposta ampla e do clima político em torno de sua implementação. O desafio para os reguladores nos próximos meses (e provavelmente anos) é incorporar o feedback do mercado e obter um consenso em torno de uma regra que seja justificável e adequadamente calibrada.

Como a Bloomberg pode ajudar

Para ajudar as empresas a navegar pelo “Basileia III Endgame” e pela finalização da FRTB, a Bloomberg fornece soluções analíticas e de dados enterprise. Independentemente se as empresas precisem de dados de mercado prontos para a FRTB, de um mecanismo confiável de análise de riscos ou de um fluxo de trabalho completo de ponta a ponta, a Bloomberg pode personalizar um pacote para atender a requisitos específicos em todas as principais jurisdições.

Para saber mais sobre a implementação da FRTB e os desafios em termos de dados, assista nosso webinar, Basel III endgame & FRTB implementation: How to solve for US divergence, Funds challenges and HPE, ou leia nossa série de artigos sobre perspectivas do setor que compartilha opiniões da região Ásia-Pacífico e de Londres.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner