BRAIP ads_banner

Advogados e promotores selecionam 12 jurados para julgamento de Trump

CasaNotícias

Advogados e promotores selecionam 12 jurados para julgamento de Trump

Senado vota PEC das drogas nesta terça-feira; julgamento no STF está parado
TSE retoma nesta terça (16) julgamento que pode cassar mandato de Jorge Seif
Luvas ensanguentadas e acusação de racismo: julgamento de O.J. Simpson marcou os EUA

Os advogados e promotores do histórico julgamento criminal de Donald Trump selecionaram, nesta quinta-feira, 12 jurados que avaliarão sua culpa ou inocência nas próximas semanas em um caso decorrente de um suborno a uma estrela pornô.

Os advogados e promotores ainda precisam selecionar jurados suplentes para o julgamento, o primeiro em que um ex-presidente dos Estados Unidos é réu.

As alegações iniciais poderão ser feitas na segunda-feira, disse o juiz Juan Merchan, que supervisiona o julgamento.

No início do dia, Merchan dispensou uma jurada que disse ter se sentido intimidada pelo fato de algumas informações pessoais terem sido tornadas públicas.

O juiz também dispensou outro jurado depois que os promotores disseram que ele poderia não ter revelado seus casos anteriores com a lei.

A enorme presença pública de Trump criou problemas únicos durante o processo de seleção do júri, que começou na segunda-feira.

Cerca de metade dos 196 potenciais jurados em Manhattan, que é fortemente democrata, foi dispensada depois de dizer que não poderia avaliar as provas de forma imparcial.

As críticas do político republicano às testemunhas, aos promotores, ao juiz e a seus parentes nesse caso e em outros também geraram preocupações sobre assédio, o que levou Merchan a impor uma ordem de silêncio parcial.

Merchan dispensou uma jurada que disse ter se sentido intimidada depois que familiares, amigos e colegas deduziram que ela havia sido selecionada para o júri.

“Não acredito, neste momento, que eu possa ser justa e imparcial e que as influências externas não afetem minha tomada de decisão no tribunal”, disse a jurada.

O candidato presidencial republicano está a poucos meses de sua revanche com o presidente Joe Biden na eleição de novembro.

O candidato republicano à Presidência na eleição de 5 de novembro é acusado de encobrir um pagamento de 130.000 dólares que seu ex-advogado Michael Cohen fez à estrela pornô Stormy Daniels pelo silêncio dela, antes da eleição de 2016, sobre um encontro sexual que ela diz que tiveram uma década antes.

Trump se declarou inocente de 34 acusações de falsificação de registros comerciais e nega qualquer encontro com Daniels, cujo nome verdadeiro é Stephanie Clifford.

Cohen se declarou culpado de violações de financiamento de campanha em 2018 e cumpriu pena de prisão por fazer esses pagamentos, e espera-se que os advogados de Trump ataquem sua credibilidade como testemunha.

Trump também se declarou inocente em três outros casos criminais — em Washington, Geórgia e Flórida –, mas o julgamento de Nova York pode ser o único que ele enfrentará antes da eleição de 5 de novembro nos EUA.

Ele afirma, sem apresentar provas, que os quatro casos criminais fazem parte de um amplo esforço de aliados do presidente democrata Joe Biden para prejudicar a sua candidatura.

Uma condenação não o impediria de assumir o cargo.

Merchan tomou medidas para proteger de assédio os jurados do caso de Nova York, dizendo que permanecerão anônimos, exceto para Trump, os seus advogados e os promotores. Nesta quinta-feira, disse que iria proibir os meios de comunicação de noticiarem aspectos do emprego dos potenciais jurados.

A disposição de Trump de criticar os envolvidos no caso, combinada com o amplo interesse público no caso, poderia colocar em risco a segurança dos jurados, disse a professora de direito da Universidade Estadual de Michigan, Barbara O’Brien.

“São apenas pessoas que estão cumprindo seu dever cívico”, disse ela. “Elas não estão se colocando voluntariamente em uma conversa pública.”

Os promotores dizem que Trump violou a ordem de silêncio sete vezes desde que assinalaram três potenciais violações na segunda-feira, e pediram a Merchan para impor multas ou outras sanções.

Nesta quinta-feira, o procurador Christopher Conroy apontou para publicações afirmando que ativistas progressistas disfarçados tinham mentido ao juiz para tentar fazer parte do júri.

Uma das advogadas de Trump, Emil Bove, disse que esses posts “não estabelecem quaisquer violações intencionais” da ordem de silêncio.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner