BRAIP ads_banner

Títulos verdes: novos patamares em 2023

CasaNotícias

Títulos verdes: novos patamares em 2023

Lauana Prado canta com Alcione durante homenagem à sambista; veja
“Ghostbusters: Apocalipse de Gelo“ estreia nos cinemas
‘Onde está meu vovô?’: A pergunta de um menino que ecoa o silêncio de décadas

Artigo escrito por Jonathan Gardiner, gerente de produto de índices sustentáveis, e Tom Freke, especialista em dados de renda fixa da Bloomberg.

A emissão de títulos sustentáveis superou mais de um trilhão de dólares em 2023, impulsionada por níveis recordes de vendas de títulos verdes (green bonds), mostram dados compilados pela Bloomberg. A emissão de títulos de impacto (ou seja, títulos verdes, sociais, de sustentabilidade e ligados a sustentabilidade) totalizou US$ 939 bilhões em 2023, um aumento de 3% em relação ao mesmo período do ano anterior. Este não é um recorde – que ocorreu em 2021, quando a emissão atingiu US$ 1,1 trilhão.

Uma área em que foram estabelecidos recordes em 2023 foram as vendas de títulos verdes privados e públicos, que subiram para US$ 575 bilhões, um avanço em relação a 2022 e um pouco acima do valor de US$ 573 bilhões de 2021.

A maior venda de títulos verdes do ano foi a do governo italiano, em abril, que totalizou dez bilhões de euros. E o maior setor para títulos de impacto foi o dos governos. Outros governos europeus emissores de títulos verdes incluem os seguintes países: França, Alemanha, Irlanda, Holanda e Reino Unido. Um total de US$ 190 bilhões em títulos verdes foi emitido pelos governos ao longo de 2023.

As vendas de títulos sociais em 2023 corresponderam aproximadamente às do ano anterior, de US$ 135 bilhões. Esse valor está muito aquém dos volumes recordes de emissão durante a pandemia, quando US$ 220 bilhões em títulos sociais foram emitidos em 2021. O maior título social do ano foi emitido pelo La Caisse d’amortissement de la dette sociale (CADES), de propriedade do governo francês, chegando a cinco bilhões de euros.

As vendas de títulos de sustentabilidade em 2023 caíram ligeiramente em comparação com as do ano anterior – uma queda de 1,6%, chegando a US$ 161 bilhões. O Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (IBRD) foi responsável pelos maiores títulos de sustentabilidade emitidos em 2023, chegando a US$ 5 bilhões. O banco de desenvolvimento foi o maior emissor de títulos de sustentabilidade ao longo do ano, com quase US$ 50 bilhões em vendas.

Os títulos ligados à sustentabilidade (SLBs) registraram a maior queda nos volumes de emissão em 2023, o que representa 22% a menos do que no ano anterior, com US$ 68 bilhões. A empresa canadense de energia, Enbridge, foi responsável pelo maior título ligado à sustentabilidade do ano, com US$ 2,3 bilhões, emitido em março.

No entanto, apesar da queda no mercado de SLBs, o ano de 2024 já viu a Enel, concessionária italiana, emitir um título relacionado à sustentabilidade no valor de US$ 1,75 bilhão. Talvez este seja um indicador inicial de uma recuperação no mercado. E os títulos de transição podem ser uma classe popular no próximo ano, com o Japão planejando uma aceleração significativa na emissão de títulos de transição nos próximos dez anos.

Os índices de títulos Globais Agregados Verdes, Sociais e de Sustentabilidade (GSS, na sigla em inglês) da Bloomberg (link para o webinar) podem fornecer aos investidores uma medida objetiva e robusta do mercado mundial de títulos de renda fixa emitidos para financiar projetos com benefícios ambientais e/ou sociais diretos. O retorno para o índice GSS em 2023 é de 9,94%, cerca de 423 pb acima do índice Global Agregado, destacando o aumento dos retornos para investidores com um apetite por investimentos focados em sustentabilidade.

Para mais informações sobre o mercado de dívida sustentável, acesse este link.

Acesse IN ESG no Terminal ou navegue em nosso site para saber mais sobre os índices sustentáveis da Bloomberg e solicitar uma consulta com um especialista em índices.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner