BRAIP ads_banner

Série documental revela abusos nos bastidores do canal Nickelodeon

CasaNotícias

Série documental revela abusos nos bastidores do canal Nickelodeon

Câmara vota para manter prisão de Chiquinho Brazão, suspeito de mandar matar Marielle Franco
Mega-Sena 2713: sorteio desta terça-feira tem prêmio estimado em R$ 66 milhões
Confira cinco filmes que chegam aos cinemas ou ao streaming nesta semana

Vinte anos atrás, o treinador de diálogos e atuação Brian Peck, então parte da equipe do canal infantil Nickelodeon, foi condenado a dezesseis meses de prisão e registrado como agressor sexual por uma série de abusos contra um menor de idade. Na época, em 2004, o jovem de 15 anos teve a identidade protegida. Mas o mistério se dissipou semanas atrás, quando Drake Bell, estrela da série Drake & Josh, revelou no documentário O Lado Sombrio da TV ser a vítima que pôs Peck atrás das grades. “Não sei como explicar isso diante das câmeras. Pense nas piores coisas que alguém pode fazer a uma pessoa numa agressão sexual e terá sua resposta”, disse sobre a brutalidade e extensão dos estupros.

Estou feliz que minha mãe morreu – Jennette McCurdy

Transmitida originalmente pelo canal ID, nos Estados Unidos, a série documental chega ao Brasil na terça-­feira 16, pelo Max, e lança luz sobre um tópico infelizmente recorrente no entretenimento: o ambiente altamente tóxico ao qual crianças são submetidas por vezes nos bastidores do mundo mágico das produções infantojuvenis. Dividida em quatro episódios, a série foca a Nickelodeon, canal que fez sucesso nos anos 1990 e 2000 com tramas como O Show da Amanda, All That e Zoey 101, antes mesmo do estouro do Disney Channel.

É um caso extremo: os responsáveis pela engrenagem, mostra a série, não só deixaram de proteger as crianças como criaram um ambiente favorável a predadores sexuais. Além de Peck, outros dois funcionários foram condenados por abusos a adolescentes do canal, e o chefão Dan Schneider, demitido em 2018, é acusado de assediar e humilhar funcionárias e sexualizar os menores nas telas com piadas de conotação sexual — numa cena de Sam & Cat, Ariana Grande acaricia uma batata para tentar espremer “suco” do legume, enquanto Alexa Nikolas lança um jato sugestivo de gosma no rosto de Jamie Lynn Spears em Zoey 101. Com a repercussão, Schnei­der, apontado por Bell como único do canal a apoiá-lo na época do abuso, veio a público admitir que errou em sua carreira. “Estou enfrentando meus comportamentos do passado, alguns dos quais são constrangedores e me arrependo. Devo as mais profundas desculpas a algumas pessoas”, disse após assistir à produção.

Continua após a publicidade

Things I Should Have Said – Jamie Lynn Spears

Fato é que desculpas não curam traumas: nos relatos das estrelas infantis, são comuns as menções a problemas como alcoolismo, abuso de drogas e transtornos. Em resposta às acusações, a Nickelodeon — que hoje, na era do streaming e do YouTube, já não tem a popularidade de outrora entre os jovens — disse que adotou medidas de segurança ao longo dos anos e lamentou os males causados a Drake Bell. O ator chamou a resposta de “vazia”. “Eles ainda transmitem nossos programas, e eu preciso pagar pela minha terapia”, disparou. Havia horror por trás da magia.

Publicado em VEJA de 12 de abril de 2024, edição nº 2888

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner