BRAIP ads_banner

Recorde de calor no planeta é registrado pelo 10º mês seguido – o que está acontecendo?

CasaNotícias

Recorde de calor no planeta é registrado pelo 10º mês seguido – o que está acontecendo?

Google e Ministério da Saúde fecham parceria com foco em vacinação; confira
Governo do RS planeja vacinar contra gripe toda a população em abrigos até a próxima segunda
Veja 7 músculos negligenciados na hora do treino – e saiba por que você não deve se esquecer deles

Pelo 10º mês consecutivo, a Terra em março bateu um novo recorde mensal de calor global — com as temperaturas do ar e os oceanos do mundo atingindo um nível máximo inédito para o mês, segundo a agência climática da União Europeia, Copernicus.

Europa sofreu com ondas de incêndio ao longo do último ano Foto: George Calin – Adobe Stock

Março de 2024 teve uma média de 14,14 ºC, superando o recorde anterior de 2016 por 0,1ºC, conforme os dados da Copernicus. E estava 1,68 ºC mais quente do que no fim dos anos 1800, a base usada para temperaturas antes do início do aumento rápido da queima de combustíveis fósseis, com a Revolução Industrial.

Desde o último junho, o globo quebrou recordes de calor a cada mês, com ondas de calor marinhas por grandes áreas dos oceanos do mundo contribuindo.

Cientistas dizem que o calor recorde durante este tempo não foi totalmente surpreendente devido a um forte El Niño, fenômeno climático que aquece a área central do Oceano Pacífico e muda os padrões climáticos globais.

“Mas sua combinação com as ondas de calor marinhas não naturais tornou esses recordes tão impressionantes,” disse a cientista Jennifer Francis do Woodwell Climate Research Center.

Com o El Niño diminuindo, as margens pelas quais as temperaturas médias globais são superadas a cada mês devem diminuir, disse Francis. A previsão é de que ele dê lugar a partir do 2º semestre ao fenômeno inverso, o La Niña, que costumar baixar o calor global.

Cientistas, no entanto, atribuem a maior parte do calor recorde à mudança climática causada pelo homem devido às emissões de dióxido de carbono e metano produzidas pela queima de carvão, petróleo e gás natural.

“A trajetória não mudará até que as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera parem de subir”, disse Francis, “o que significa que devemos parar de queimar combustíveis fósseis, parar o desmatamento e cultivar nossa comida de forma mais sustentável o mais rápido possível.”

Até então, espere mais recordes quebrados, disse ela.

Sob o Acordo de Paris de 2015, o mundo estabeleceu a meta de manter o aquecimento em ou abaixo de 1,5 ºC na comparação com os níveis pré-industriais. Os dados de temperatura da Copernicus são mensais e usam um sistema de medição um pouco diferente do limiar de Paris, que é calculado em duas ou três décadas.

Samantha Burgess, diretora adjunta da Copernicus, disse que a temperatura recorde de março não foi tão excepcional quanto alguns outros meses do último ano que quebraram recordes por margens maiores.

“Tivemos meses de recordes que foram ainda mais inusitados,” disse Burgess, apontando para fevereiro de 2024 e setembro de 2023. Mas a “trajetória não está na direção certa,” ela adicionou.

O globo agora experimentou 12 meses com temperaturas médias mensais 1,58 ºC acima do limiar de Paris, segundo os dados da Copernicus.

Em março, a temperatura média da superfície do mar global foi de 21,07 ºC, o valor mensal mais alto já registrado e ligeiramente superior ao que foi registrado em fevereiro.

“Precisamos de ação global mais ambiciosa para garantir que possamos chegar a zero emissões líquidas o mais rápido possível,” disse Burgess.

No Brasil, o maior desafio para reduzir o volume de gás carbônico despejado na atmosfera é zerar o desmatamento na Amazônia. O governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) conseguiu baixar os índices de destruição da floresta no primeiro ano de governo, mas ainda enfrenta dificuldades para conter os incêndios em algumas áreas, como Roraima. / COM ASSOCIATED PRESS

“Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.”

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner