BRAIP ads_banner

Quanto ganha um policial no Brasil? Veja dados por Estado

CasaNotícias

Quanto ganha um policial no Brasil? Veja dados por Estado

Sinais precoces de Alzheimer podem começar pelos olhos, sugere estudo; veja o que isso significa
Promessa para o draft da NFL, jogador morre às vésperas do evento
Show de Roberto Carlos no Pacaembu é cancelado; entenda o que aconteceu

Um policial brasileiro ganha, em média, R$ 9.503,42 brutos, de acordo com novo levantamento divulgado nesta terça-feira, 27, pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O dado leva em conta a renda dos policiais militares, civis e peritos dos Estados. O valor varia amplamente entre as carreiras, patentes e Estados brasileiros, como mostra a pesquisa.

Entre os soldados das polícias militares, por exemplo, a média de remuneração bruta é de R$ 6,3 mil. Mas em Goiás, o valor chega a R$ 10 mil, enquanto no Rio Grande do Norte o valor é de R$ 4 mil. Em São Paulo, o salário para a patente mais baixa é de R$ 6,3 mil.

No topo da carreira dos oficiais, o salário bruto médio dos coronéis é de R$ 29 mil. No Rio, o valor médio chega a R$ 37,5 mil, o mais alto do País, enquanto no Ceará o salário é de R$ 24 mil, o mais baixo. Em São Paulo, o número fica em R$ 28,5 mil.

Renda média dos policiais é maior do que o salário médio do restante do funcionalismo público Foto: Taba Benedicto/Estadão
  • A pesquisa também apontou a remuneração da Polícia Civil, que em média paga R$ 11,7 mil brutos aos investigadores e R$ 26,6 mil aos delegados. No caso dos investigadores, a remuneração média no Amazonas é a mais alta do Brasil, com um valor que chega a R$ 21 mil. A mais baixa é a do Ceará, com R$ 8,9 mil.

Quanto ao cargo de delegado, a média é mais alta em Alagoas (R$ 35,9 mil) e mais baixa no Paraná (R$ 24,3 mil).

Entregas de viaturas para a PM do Rio, em novembro de 2023 Foto: Pedro Kirilos/Estadão

A média geral de R$ 9,5 mil é quase o dobro do restante do funcionalismo – cerca de R$ 5 mil –, sendo que as folhas de ativos e inativos da Segurança Pública respondem por 23% do total de gastos dos Estados com pessoal.

  • O salário médio dos inativos é ainda maior: R$ 11 mil ante R$ 6 mil para as demais carreiras do funcionalismo. E 33 mil dos 739 mil policiais e guardas do País (5,4%) receberam salários acima do teto do funcionalismo em 2023 (R$ 39.293).

Há pouco espaço fiscal para se reverter o quadro. “O modelo de segurança pública inviabiliza por completo qualquer ideia de aumento de efetivos em razão dos custos fiscais e previdenciários e acaba sendo perverso com os próprios policiais ao gerar distorções dentro das carreiras, com desvios de função demasiados, retirando homens da atividade fim”, disse Renato Sérgio de Lima, diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

“O sistema custa caro e é ineficiente, o que faz a população ser cada vez mais refém da insegurança e do medo”, acrescentou.

Entidade de PM vê falta de valorização; secretaria de SP destaca reajuste

O soldado Marco Prisco, presidente da Federação Nacional dos Praças (Anaspra), entidade que representa policiais e bombeiros militares, reclama de falta de valorização da categoria. “O efetivo tem diminuído drasticamente, isso é fato”, afirma ele, que também vê a questão salarial como “horrível”.

Entre os problemas, segundo Prisco, estão falta de plano de carreira, baixas expectativas, alto número de homicídios e até de suicídios.

A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo, que tem o maior efetivo do País, promete concursos ao longo da gestão, tanto para a Polícia Civil quanto para a militar, com o objetivo de reduzir o déficit nas categorias.

O governo ainda ressalta o “reajuste salarial médio de 20,2%, acima da inflação de 4,65% no acumulado segundo IPCA, considerado um feito inédito para um primeiro ano de gestão entre as administrações paulistas mais recentes”. / COLABOROU CAIO POSSATI

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner