BRAIP ads_banner

Quais contraventores amaram se ver na série ‘Vale o Escrito’

CasaNotícias

Quais contraventores amaram se ver na série ‘Vale o Escrito’

Prefeita de Canoinhas joga livros no lixo; veja vídeo e saiba quais são os títulos
Roberto Carlos no Pacaembu: empresas voltam atrás e show é cancelado
Israel quer responder ataque, Irã diz que operação está concluída: o que pode acontecer no conflito?

Continua após publicidade

Com segunda temporada confirmada para 2025, Vale o Escrito, série sobre o jogo do bicho no Rio de Janeiro, produzida pelo Globoplay, trouxe contraventores, seus herdeiros e suas mulheres falando a espeito da dinâmica do negócio. Monica de Almeida, diretora de gênero e auditório da TV Globo, destaca o trabalho da equipe de documentário, que precisou construir uma relação de confiança com as fontes para conseguirem as entrevistas. Depois de todo o esforço, alguns dos participantes relataram que “amaram” ter suas histórias contadas.

“A gente foi muito de pouco em pouco. A Shanna, por exemplo, a gente perseguiu, foi na hípica, no café, ela fugia… Mas a mãe acabou falando e a convenceu. Bernardo Bello, a mãe dele era fã do (Pedro) Bial, e aí ele topou falar com a gente. O Piruinha, eu sei que fica se vendo (na série) e adora. A Shanna adorou também e quer se lançar nas redes sociais”.

Considerado um dos principais bicheiros do país, Bernardo Bello assumiu o controle do negócio da família Garcia após o assassinato do ex-sogro, o bicheiro Waldermir Paes Garcia, Maninho, como era conhecido o presidente do Conselho Fiscal da escola de samba Acadêmicos do Salgueiro, em 2004. Maninho é pai de Shanna Garcia, ex-cunhada de Bernardo, e irmã gêmea de Tamara Garcia. Já Piruinha, é o apelido do bicheiro José Caruzzo Escafura, de 94 anos, considerado o mais velho contraventor da cúpula do jogo do bicho carioca ainda vivo.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner