BRAIP ads_banner

Privatização da Emae: três empresas devem disputar estatal de energia paulista

CasaNotícias

Privatização da Emae: três empresas devem disputar estatal de energia paulista

São Paulo, maior produtor de laranja do mundo, ainda tem áreas para crescer, diz instituição
Laranja paulista migra para outros Estados para escapar de praga; novas áreas investem em controle
Laranja mais cara: preço sobe quase 40% em SP provocado por estoque menor, praga e mudança climática

O leilão de privatização da estatal de energia paulista Emae (Empresa Metropolitana de Águas e Energia), marcado para a próxima sexta-feira, 19, contará com a presença de três potenciais compradores para o ativo, que estiveram na manhã desta segunda-feira, 15 na B3, em São Paulo, para entregar os envelopes das propostas.

Estão entre os potenciais compradores estão a francesa EDF, a Matrix Energy e o Fundo Phoenix.

O vencedor do certame será o consórcio que apresentar o maior valor unitário a ser pago por ação acima do preço mínimo definido, de R$ 52,85 por cada uma das 14,7 milhões de ações que o Estado detém diretamente na companhia e outras 350 mil que pertencem ao Metrô. Sem ágio, o valor de referência da privatização seria de de R$ 779,815 milhões.

No dia do leilão, haverá a sessão pública de abertura de envelopes dos proponentes com a proposta de preço e a classificação dos lances. Caso existam ofertas com valores iguais ou até 20% inferiores ao da maior proposta, haverá disputa “viva-voz”.

Complexo Henry Borden, da Emae Foto: Emae/Divulgação

Os interessados que estiveram hoje na B3, em São Paulo, têm de apresentar garantias financeiras de 1% do valor total estipulado para a alienação das ações.

Na operação, os empregados da Emae poderão comprar 10% da companhia, o equivalente a 3,6 milhões de ações ao preço mínimo por ativo.

A venda da última estatal de energia de São Paulo tem sido tratada como um teste para a futura privatização da Sabesp, considerada a joia da coroa do governo paulista e também a operação mais aguardada.

O que é a Emae

A Emae opera cinco usinas, que somam 960,8 megawatts (MW) de potência instalada. A maior parte dessa potência vem da usina hidrelétrica (UHE) Henry Borden, em Cubatão (SP), com 889 MW, e que tem contrato de concessão até janeiro de 2043. A estatal paulista obteve receita operacional líquida de R$ 603,3 milhões ao longo de 2023 e anotou lucro líquido de R$ 150,5 milhões.

A desestatização da Emae está prevista desde a década de 1990 e a sua concretização encerrará o processo de saída do governo paulista do setor de geração de energia. Ativos que hoje pertencem à AES Brasil e à Auren Energia compunham a Cesp, estatal que foi cindida em três e privatizada nos anos 1990.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner