BRAIP ads_banner

Paquistão bloqueou acesso ao “X” por questão de segurança nacional, diz ministério

CasaNotícias

Paquistão bloqueou acesso ao “X” por questão de segurança nacional, diz ministério

Bloomberg facilita o acesso aos dados ESG para a Diretiva de Relatórios de Sustentabilidade Corporativa (CSRD)
37% das pessoas que menstruam têm dificuldades de acesso a itens de higiene, aponta UNICEF
Saúde altera classificações de gênero de procedimentos médicos para ampliar acesso a pessoas trans

O Ministério do Interior do Paquistão disse nesta quarta-feira (17) que bloqueou o acesso ao X, antigo Twitter, por volta da época das eleições de fevereiro por questões de segurança nacional, confirmando as suspeitas de longa data sobre o assunto.

Usuários da rede social no Paquistão relataram problemas ao usar o X desde meados de fevereiro, mas o governo não havia feito nenhum anúncio oficial sobre o assunto até agora.

A pasta mencionou a suspensão em um documento por escrito à Suprema Corte de Islamabad nesta quarta. Outro tribunal afirmou ao governo para reconsiderar a proibição dentro de uma semana, segundo Abdul Moiz Jafri, peticionário e defensor.

“É muito pertinente mencionar aqui que o fracasso do Twitter/X em aderir às diretrizes legais do governo do Paquistão e em responder às preocupações relativas ao uso indevido de sua plataforma exigiu a imposição de uma proibição”, explicou o ministério em sua petição ao tribunal, que foi vista pela Reuters.

Ele ressaltou que o X estava relutante em resolver o problema. A empresa não respondeu a um pedido de comentário da Reuters até a última atualização desta matéria, mas disse em comunicado que continua trabalhando com o governo paquistanês para entender “suas preocupações”.

“A decisão de impor a proibição do Twitter/X no Paquistão foi tomada no interesse de defender a segurança nacional, manter a ordem pública e preservar a integridade da nossa nação”, afirmou o documento do ministério.

O acesso ao X permanece limitado desde as eleições nacionais de 8 de fevereiro, que o partido de Imran Khan, ex-primeiro-ministro preso, diz ter sido fraudada.

Entre os partidos políticos do Paquistão, o de Khan é o utilizador mais prolífico de plataformas de redes sociais, especialmente depois de os meios de comunicação tradicionais do país terem começado a censurar notícias sobre a ex-estrela do críquete e seu partido antes das eleições.

Khan tem mais de 20 milhões de seguidores no X, o que o torna o paquistanês mais seguido na plataforma.

O ex-primeiro-ministro afirma que os militares do Paquistão estiveram por trás da sua destituição do cargo em 2022 e que ajudaram os seus oponentes a formar o atual governo, apesar dos candidatos apoiados pelo seu partido terem conquistado a maioria dos assentos nas eleições de fevereiro. Os militares negam esta acusação.

Ele continua preso devido a uma série de condenações, a maioria das quais ocorridas dias antes da eleição.

Muitos funcionários do governo no Paquistão, nomeadamente o primeiro-ministro Shehbaz Sharif, continuam a usar o X, provavelmente através de software VPN, que contorna os bloqueios.

A decisão de bloquear temporariamente X foi tomada após considerar relatórios confidenciais das agências de inteligência e segurança do Paquistão, de acordo com o texto do ministério.

O documento também destacou que “elementos hostis que operam no Twitter/X têm intenções nefastas de criar um ambiente de caos e instabilidade, com o objetivo final de desestabilizar o país e mergulhá-lo em alguma forma de anarquia”.

Grupos de direitos humanos e anunciantes de marketing levantaram preocupações com o caso.

O ativista dos direitos digitais Usama Khilji avaliou que o bloqueio do X parecia projetado para impedir a responsabilização democrática que, segundo ele, uma plataforma com atualizações instantâneas de informações em tempo real permite, especialmente em meio às alegações e evidências de fraude que surgiram após a eleição.

O consultor de marketing Saif Ali disse: “Tornou-se quase impossível convencer os anunciantes paquistaneses a investir no Twitter para comunicações de marca, devido à plataforma ser restringida pelas autoridades governamentais”.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner