BRAIP ads_banner

Outro trabalhador humanitário foi ferido pouco antes de ataque a comboio

CasaNotícias

Outro trabalhador humanitário foi ferido pouco antes de ataque a comboio

Antes de enfrentar o Cruzeiro, Alianza havia feito um gol em seis jogos
Lula quer encontro com Lira e Pacheco antes de sessão do Congresso
Cadáver em agência bancária: vídeo mostra idoso em shopping antes de ser levado ao banco

A World Central Kitchen (WCK) disse que um de seus trabalhadores humanitários foi gravemente ferido minutos antes dos ataques mortais a um comboio da organização que matou sete trabalhadores em 1º de abril.

O funcionário palestino da WCK – nomeado apenas como Amro pela organização – foi “gravemente ferido” em um ataque aéreo relatado na mesquita de al-Bashir em Deir al-Balah, disse a organização na quarta-feira (10). O ataque ocorreu apenas 15 minutos antes do comboio de ajuda ser atingido pela primeira vez, ainda de acordo com a WCK.

A CNN entrou em contato com as Forças de Defesa de Israel para comentar a informação.

O trabalhador humanitário sofreu “sérios ferimentos na cabeça e nas mãos enquanto estava fora de serviço em uma casa perto da mesquita na área ao redor do nosso armazém e da recém-estabelecida cozinha em Deir al-Balah”, disse a organização.

Depois de ser retirado dos escombros, ele foi levado para o mesmo hospital onde os mortos no ataque ao comboio foram trazidos.

“Depois de passar algum tempo em coma, Amro foi levado para outro hospital, onde está se recuperando, recebendo tratamento e ficando mais forte a cada dia”, acrescentou o WCK.

Ambos os ataques aéreos ocorreram a quilômetros um do outro e foram “lembranças flagrantes das condições angustiantes que os trabalhadores de ajuda humanitária e as famílias palestinas continuam a enfrentar a cada minuto de cada dia”, disse a ONG.

A organização humanitária disse que mais de 400 palestinos são empregados pela WCK, com milhares trabalhando como voluntários.

O trabalhador humanitário ferido no ataque de 1º de abril possuía uma loja de doces até que foi destruída no início da guerra. Apesar de várias oportunidades de deixar Gaza para o Egito, ele escolheu continuar trabalhando para a organização, disse a WCK.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner