BRAIP ads_banner

Mahmoud Abbas critica veto dos EUA para reconhecer a Palestina na ONU

CasaNotícias

Mahmoud Abbas critica veto dos EUA para reconhecer a Palestina na ONU

Jovens estão usando Botox para prevenir rugas. Será que funciona?
Coreia do Norte lança música que chama Kim Jong-un de “pai amigável”
FMI eleva projeção para PIB do Brasil para 2024

Continua após publicidade

O presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, criticou neste sábado, 20, o veto dos Estados Unidos à integração da Palestina como estado membro de pleno direito na Organização das Nações Unidas (ONU). Os EUA defendem que um estado palestino independente deve ser criado em negociação direta entre o Estado de Israel e a Autoridade Palestina, e não em uma votação da ONU.

Na última quinta-feira, os Estados Unidos vetaram o reconhecimento do Estado Palestino como membro pleno da ONU. Doze dos 15 países membros do Conselho de Segurança votaram a favor da conclusão da integração da Palestina na ONU, dois se abstiveram e somente a alegação dos EUA se manifestou contra.

Em entrevista à agência Wafa, Abbas anunciou que a Palestina irá reconsiderar as relações com os Estados Unidos. “Os líderes palestinos reconsiderarão as relações bilaterais com os Estados Unidos, de uma forma que garanta a proteção dos interesses do nosso povo, da nossa causa e dos nosso direitos”

A Autoridade Palestina interpretou o veto norte-americano como “uma agressão flagrante contra os direitos, a história e a pátria” de seu povo. Para a AP, os EUA desafiam a vontade da comunidade internacional.

Continua após a publicidade

“Enquanto o mundo concorda com a necessidade de aplicar o direito internacional e apoia os direitos palestinos, os Estados unidos continuam a apoiar a ocupação e recusam-se a forçar Israel a parar a sua guerra genocida”, disse Abbas. Ele acusou os EUA de dar armas e dinheiro a Israel para matar os palestinos e destruírem suas casas.

Abbas afirmou que a posição dos EUA significa na prática o abandono das promessas para a criação de dois estados para selar a paz entre palestinos e israelenses.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner