BRAIP ads_banner

Feira de arte em Chicago apresenta miniaturas de grandes artistas

CasaNotícias

Feira de arte em Chicago apresenta miniaturas de grandes artistas

Cinemateca Brasileira apresenta mostra de filmes “Olhar do Ceará“
TikTok Notes: versão de teste se apresenta como um concorrente ao Instagram
OpenAI apresenta ChatGPT para empresas, incluindo clientes da Microsoft

Espalhadas por amplos centros de convenções, as feiras de arte costumam ser realizadas em grande escala: plantas enormes, grandes obras de arte vendidas por milhões, instalações dramáticas e, às vezes, grandes acrobacias.

Mas em Chicago, uma feira reduz a arte a um tamanho miniatura, com os seus participantes que fazem pequenas pinturas, esculturas e outras obras para serem expostas à escala 1:12 em estandes do tamanho de casas de bonecas.

A Barely Fair, agora entrando em seu quarto ano, reúne galerias comerciais bem estabelecidas e espaços de projetos administrados por artistas, e já apresentou um “mini feijão” de Anish Kapoor e outros pequenos trabalhos de artistas como Barbara Kruger, Yoko Ono e Rebeca Morris.

 

A feira acontece na semana da Expo, feira internacional anual (tamanho normal) de Chicago e abre no dia 12 de abril no Color Club.

A ideia de Barely Fair começou originalmente como uma piada entre os diretores do espaço Júlio César, administrado por artistas, mas eles rapidamente perceberam seu potencial como um evento legítimo no mundo da arte.

“Achamos que seria uma ideia realmente brilhante se fizéssemos isso da melhor maneira possível – mais ou menos como uma boa piada é melhor contada de maneira direta”, disse Roland Miller, cofundador da Barely Fair. Ele acrescentou: “Há muitas complexidades envolvidas nessa piada boba que inventamos”.

Depois de um primeiro ano de sucesso em 2019, a Barely Fair fez uma pausa de dois anos enquanto a pandemia de Covid-19 paralisava as feiras de arte (e, mais tarde, um retorno desigual). Em 2022, os fundadores, que incluem os artistas Josh Dihle e Tony Lewis e a curadora Kate Sierzputowski, decidiram recomeçar.

“Não tínhamos certeza se alguém iria se lembrar ou não”, lembrou Miller. “Naquela primeira noite de 2022, a fila para entrar na feira durou uma hora.”

Pequena, mas poderosa

A Barely Fair pode oferecer arte em miniatura, mas é um evento de grande porte em todos os outros aspectos, reunindo este ano 36 galerias, que muitas vezes apresentam vários artistas por estande.

Os artistas e suas galerias são responsáveis pela produção de todas as pequenas obras, mas a equipe da Barely Fair ajuda na instalação conforme necessário.

Ellie Rines, fundadora da galeria 56 Henry de Nova York, expôs na Barely Fair nos últimos dois anos – este ano com o trabalho do artista Daid Puppypaws, de Los Angeles, que está exibindo esculturas prontas de refletores de estradas coletadas ao longo de um período de 15 anos. Rines acha que os estandes pequenos tendem a chamar mais atenção do que a agitação das feiras maiores.

Na feira deste ano, o Patient Info, um espaço artístico com sede em Chicago convertido de um consultório de dermatologia, está imitando seu ambiente único com piso em estilo azulejo e cadeira de exame encolhida, além de exibir trabalhos de Ingrid Olson e Jonas Müller- Ahlheim/ Roland Miller/Barely Fair

“O desafio de apresentar trabalhos em uma feira de arte é que você sente que as pessoas não vão olhar com atenção suficiente – elas darão uma olhada superficial relance”, disse ela em um telefonema. “E, na verdade, ao minimizar a escala, cria-se um ambiente onde você é desafiado a olhar mais de perto.”

“Na melhor das hipóteses, uma feira de arte é uma forma de consolidar um monte de arte em um único local… e baixá-la na psique das pessoas da maneira mais rápida possível”, acrescentou ela. “E acho que Barely Fair tem muito mais sucesso nisso.”

Para galerias e artistas emergentes, a Barely Fair é uma forma mais acessível de participar da semana de arte de Chicago, que atrai curadores e colecionadores de todo o mundo. Para espaços internacionais, é uma presença nos EUA fora dos centros de arte costeira. Mas para muitos participantes, incluindo figuras importantes do mundo da arte que estão no circuito há anos, como salientou Miller, é simplesmente divertido.

“Além dos parâmetros do estande, é bastante libertador”, disse Julia Fischbach, co-proprietária da galeria Patron, com sede em Chicago. Exibindo este ano pela primeira vez com uma apresentação individual de Alice Tippit, o estande da Patron apresenta desenhos em tamanho de cartão postal de cobras sinuosas ao lado de penas encontradas embaladas em caixas de madeira personalizadas. Sem as “grandes expectativas” de outras feiras de arte, acrescentou Fischbach, “é mais divertido”.

Espaço para interpretação

Artistas e galeristas abordaram os parâmetros de seus estandes de maneiras diferentes, com alguns espaços configurados com uma sensação mais tradicional de esculturas de chão e pinturas de parede de uma galeria, mostrando como um visitante do tamanho de um polegar pode interagir com o espaço. Outros transformaram seus estandes em salas movimentadas, acrescentando painéis de madeira nas paredes, carpetes e móveis para complementar a arte. No ano passado, Rines, de 56 Henry, optou por uma única escultura de feltro de Al Freeman montada em uma parede – um de seus “pênis macios e duros”, descreveu Rines.

“Acho que demorou cerca de um a cinco minutos”, disse ela sobre a instalação. “Pode ter havido algum velcro envolvido ou algo assim.” A artista Amanda Ross-Ho, nascida em Chicago e radicada em Los Angeles, participante na galeria ILY2 de Portland, está usando seu estande na feira deste ano para relembrar uma de suas obras de arte formativas e “fechar o círculo”.

Em 1998, Ross-Ho começou a brincar com proporções monumentais em sua arte, criando uma camiseta de 2,10 metros de altura que dizia “DEIXE-ME SÓ” em uma fonte ousada sem serifa, uma homenagem ao slogan declarativo da estilista Katharine Hamnett.
Ross-Ho criou várias interações e tamanhos de camisa ao longo dos anos; agora, sua versão menor, “LEAVE ME ALONE (XXXXXS), 2024”, medindo apenas alguns centímetros, chegará em Chicago – onde ela idealizou o trabalho pela primeira vez.

Ross-Ho criou várias interações e tamanhos de camisa ao longo dos anos; agora, sua versão menor, “LEAVE ME ALONE (XXXXXS), 2024”, medindo apenas alguns centímetros, chegará em Chicago – onde ela idealizou o trabalho pela primeira vez. / Roland Miller/Barely Fair“(Está) invertendo a dinâmica de fazer um monumento em pequena escala”, disse ela, explicando que a Barely Fair “aconteceu de parecer quase feito sob medida” para seu trabalho.

Chicago, acrescentou ela, tem “um legado tão longo de espaços administrados por artistas e modelos verdadeiramente alternativos ao mercado de arte e ao sistema de feiras de arte… então há algo na feira de arte em miniatura que é tão Chicago, e eu adoro isso”.

Ross-Ho está vendendo oito camisas “DEIXE-ME SÓ” na Barely Fair para a ocasião, mas as vendas não são o atrativo, enfatizou ela. Os preços das obras de arte na Barely Fair normalmente variam de algumas centenas a alguns milhares de dólares, com algumas das obras nem destinadas à venda.

Ainda assim, isso não quer dizer que os colecionadores não estejam ansiosos pelas obras em exposição. No ano passado, a galerista belga Tatjana Pieters esgotou seu estande, que apresentava sarcófagos de peixes de estimação impressos em 3D (contendo espinhas de peixe reais) de Charles Degeyter e mini telas de inspiração renascentista de Mae Alphonse Dessauvage.

Pieters considerou isso um excelente “teste” para o trabalho de Degeyter e o mostrou novamente na NADA Miami durante a Miami Art Week, esgotando o estande mais uma vez – desta vez, com obras maiores.

“O desafio é levar o espectador ao mundo do artista em uma escala tão pequena, e no ano passado isso funcionou”, disse Pieters por telefone. “Agora estou curioso para ver se funcionará novamente este ano.” À medida que a Barely Fair continua a ganhar reputação, seus fundadores discutiram como seria levar o evento para outras cidades e expandir sua pequena presença.

Independentemente de como eles possam “crescer”, Miller diz que querem permanecer fiéis ao espírito exuberante da feira. “Nunca participei de nada onde as pessoas tivessem emoções de alegria tão fortes – não é uma reação normal no mundo da arte; é raro”, disse ele. “E quando você sente isso, você realmente quer se agarrar a isso.”

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner