BRAIP ads_banner

Em votação apertada, CNJ reverte afastamento de Gabriela Hardt

CasaNotícias

Em votação apertada, CNJ reverte afastamento de Gabriela Hardt

Multilaser reformula oferta de produtos após prejuízo milionário
Famosos curtem show dos Jonas Brothers em São Paulo; confira
BBB 24 — Wanessa lança música sobre cancelamento: “Licença pra errar“

O plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) reverteu na noite desta terça-feira, 16, o afastamento da juíza federal Gabriela Hardt, que esteve à frente da Operação Lava-Jato em Curitiba. Por 8 votos a 7, o colegiado derrubou a decisão do corregedor nacional de Justiça, Luís Felipe Salomão, tomada na segunda-feira, 15.

Pelo mesmo placar de Hardt, o juiz federal Danilo Pereira Junior também foi restituído às funções. Ele é o atual titular da 13ª Vara Federal de Curitiba, antigamente chefiada pelo hoje senador Sergio Moro (União Brasil-PR) e depois por Gabriela Hardt.

Já os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz e Loraci Flores de Lima, permanecerão afastados. O placar, nos casos deles, foi de 9 a 6 pela manutenção da decisão de Salomão.

O julgamento

A sessão desta terça do CNJ julgava o destino de duas reclamações disciplinares — uma contra Hardt e Moro, por supostos desvios dos recursos obtidos pela Lava-Jato nos acordos de leniência e outra contra os desembargadores e o juiz federal, por suposto descumprimento de ordens do Supremo sobre a operação. O corregedor Salomão deliberou por desmembrar o processo em relação a Moro, que ficou de fora das decisões desta sessão.

Contrariando o parecer da Procuradoria-Geral da República, o corregedor proferiu um voto duro contra os “lavajatistas”. Ele disse que houve “desvio de dinheiro público” e que Hardt homologou o acordo de leniência da Petrobras sob circunstâncias “temerárias”.Rebatendo o vice-procurador-geral da República Adonis Callou, Salomão disse que a decisão naufragada de abrir uma instituição privada para gerir os recursos da Lava-Jato “não foi uma ideia infeliz, isso é peculato e desvio”. Salomão reiterou os argumentos do afastamento e votou pela abertura de processo administrativo disciplinar (PAD) contra os quatro magistrados.

Continua após a publicidade

Ele foi criticado de forma contundente pelo ministro Luís Roberto Barroso, que abriu a divergência. O magistrado disse que os afastamentos foram uma “medida ilegítima, arbitrária e desnecessária” e que Salomão não detinha competência para determiná-los sozinho. Ele pediu vistas do caso para analisar a abertura ou não de PAD (processo administrativo disciplinar) e destacou a falta de tempo para análise do resultado da correição na 13ª Vara Federal de Curitiba.

“É preciso que tenhamos tido um acesso mínimo à documentação e à prova, que nem um super-homem poderia ter. E eu não voto no bolo, eu voto conscientemente e me preparando”, disse Barroso. O relatório da correição foi disponibilizado para os demais conselheiros do CNJ na noite de segunda.

Barroso se comprometeu a encerrar o período de vistas na próxima sessão do CNJ, marcada para o dia 21 de maio. O julgamento será retomado a partir da discussão de abertura de PAD contra Hardt, Pereira Junior, Thomson Flores e Lima.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner