BRAIP ads_banner

Eleição em reduto bolsonarista no RJ tem parentes de líderes com PL e antigos caciques com PT | Política

CasaNotícias

Eleição em reduto bolsonarista no RJ tem parentes de líderes com PL e antigos caciques com PT | Política

Empate triplo torna eleição em Manaus uma das mais interessantes, diz diretor da Atlas
Decisão do Arizona coloca aborto no centro da eleição presidencial nos EUA
Começa maior eleição da história da humanidade; votação durará semanas

O PL e o PT se aliaram a lideranças da Baixada Fluminense para reproduzir, no reduto bolsonarista do Rio de Janeiro, a polarização nacional nas eleições municipais deste ano.

A região de 13 municípios com 2,9 milhões de eleitores é vista como termômetro do avanço do bolsonarismo no Rio de Janeiro. É uma das mais violentas do estado e com forte penetração de igrejas evangélicas.

O ex-presidente venceu em todas as cidades da região com cerca de 60% dos votos válidos. O PL pretende ampliar essa vantagem, enquanto o PT busca contê-la.

“O Rio de Janeiro é o berço do bolsonarismo, não só em termos cronológicos, mas também de conteúdo. É muito presente nele a pauta da segurança pública ligada ao punitivismo. O cotidiano violento do Rio e da Baixada Fluminense, em particular, cria um espaço que permite a proliferação de um discurso de combate à violência com mais violência”, diz a cientista política Mayra Goulart, coordenadora do Laboratório de Partidos, Eleições e Política Comparada da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), que estuda as relações políticas da região.

A relevância das eleições na Baixada se amplia em razão da projeção política conquistada pelas lideranças com base eleitoral na região, que têm estendido seu poder de influência por todo o Estado. A principal delas é o deputado federal Doutor Luizinho, líder do PP na Câmara e mencionado como uma das opções para a sucessão do deputado Arthur Lira (PP) no comando da Casa.

Deputado federal Doutor Luizinho, líder do PP na Câmara — Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Luizinho tem buscado manter equidistância de Bolsonaro e Lula nas eleições municipais em todo o estado, justamente para evitar rusgas com os dois principais partidos do Congresso. Na capital, por exemplo, optou por lançar o deputado Marcelo Queiroz (PP) para evitar uma aliança com o prefeito Eduardo Paes (PSD) ou com o deputado federal Alexandre Ramagem (PL).

Em sua base eleitoral, porém, Luizinho se aliou ao PL. A irmã do deputado, Roberta Teixeira, se filiou à sigla do ex-presidente e será vice do pré-candidato Dudu Reina (PP), presidente da Câmara Municipal de Nova Iguaçu.

“Roberta é uma menina genial. Fez direito na Uerj, uma das primeiras colocadas na Emerj [Escola de Magistratura], e, agora, cursando medicina. Fui contra sua entrada na política enquanto não acabasse o curso, mas é da vontade dela desde a eleição de 2020 quando fez parte do [grupo] RenovaBR”, diz o deputado.

A base bolsonarista também conseguiu atrair um aliado de Lula para a chapa em Duque de Caxias. O deputado Aureo Ribeiro (Solidariedade) emplacou a mulher, Aline Ribeiro, como vice na chapa de Netinho Reis (MDB), sobrinho de Washington Reis (MDB), forte aliado de Bolsonaro na Baixada.

Na cidade, que tem o maior eleitorado da região, o PT decidiu promover a volta do ex-prefeito José Camilo Zito por meio do PV. A decisão contrariou Aureo, que liderou o blocão na Câmara até meados de junho.

“Lula é de muito diálogo, muita escuta. Só que o PT atrapalha. Ajudei muito o Lula na Baixada. Mas agora inventa de pegar outra candidatura em Caxias. Como se fosse voltar a um passado que não funcionou. Esse erro é no Rio de Janeiro em todas as cidades”, afirma o deputado do Solidariedade.

O PT decidiu não apoiar o clã Reis em razão de seu forte endosso a Bolsonaro. A relação política se aprofundou no episódio da suposta fraude no cartão de vacina do ex-presidente, ocorrida na cidade, segundo a Polícia Federal.

A estratégia petista tem sido resgatar antigas lideranças nas cidades em que não há opções distantes do bolsonarismo. Foi o caso de Zito.

“O objetivo é solidificar em cada cidade um bloco de apoio ao presidente Lula para 2026. Também depende das relações dentro de cada município”, afirma João Maurício, presidente do PT-RJ.

A mesma estratégia foi adotada em Nilópolis, onde o PT filiou para a disputa o ex-prefeito Sérgio Sessim, filho do ex-deputado pelo PP Simão Sessim. O adversário será o prefeito Abraão David Neto (PL), o Abraãozinho, num raro racha entre nomes ligados à escola de samba Beija-Flor, que sempre se reuniram no PP, do centrão.

Em Magé, o PT vai aderir ao prefeito Renato Cozzolino (PP), cuja família domina a política local há décadas.

A estratégia visa ampliar a aliança feita com o prefeito de Belford Roxo, Waguinho (Republicanos), cuja mulher, a deputada federal Daniela Carneiro, chegou a ocupar o Ministério do Turismo. Ela foi mantida mesmo após a divulgação da relação de seu grupo político com milicianos.

Nas eleições deste ano, o PT vai apoiar Matheus do Waguinho (Republicanos), sobrinho do prefeito. O PL vai se aliar ao deputado Márcio Canella (União Brasil), que rompeu com o atual mandatário.

A eleição presidencial de 2022 foi a primeira em que o PT ganhou sem ter maioria no Rio de Janeiro, onde Bolsonaro venceu com 56,5% dos votos válidos, puxados pelo resultado na Baixada.

“Lula e Dilma sempre tiveram boas votações na Baixada. O resultado em 2022 [na região] se deveu à desinformação, fake news por meio de algumas igrejas. Tenho certeza de que a partir dessas alianças e das ações do governo Lula isso vai mudar”, diz João Maurício.

O secretário do PL-RJ, Bruno Bonetti, afirma que a Baixada deu uma “vitória esmagadora para Bolsonaro em 2022” e que o PL vai retribuir os apoios que teve “para manter essa predominância”.

Números da Baixada Fluminense

  • 13 municípios
  • 2,9 milhões de eleitores
  • 22,3% do eleitorado do Estado do Rio de Janeiro, de 13 milhões
  • 60,5% dos votos válidos no segundo turno em 2022 foram para o ex-presidente Jair Bolsonaro
  • 58,3% x 41,7% foi a menor diferença entre Bolsonaro x Lula, em Duque de Caxias
  • 64,3% x 35,7% foi a maior diferença entre Bolsonaro x Lula , em Itaguaí

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner