BRAIP ads_banner

Eduardo Bolsonaro diz que prisão de Brazão é inconstitucional e serve como ‘isca’

CasaNotícias

Eduardo Bolsonaro diz que prisão de Brazão é inconstitucional e serve como ‘isca’

Apenas dois dos 96 bairros da cidade de SP não enfrentam epidemia de dengue; óbitos causados pela doença chegam a 67
Carpini reage à situação no São Paulo após nova derrota; diretoria se cala
Polícia prende três suspeitos de envolvimento no desaparecimento de soldado no Guarujá

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) publicou, no X (antigo Twitter), um vídeo defendendo a soltura do também deputado Chiquinho Brazão, acusado de ser um dos mandantes dos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes. Para o parlamentar, a decisão de manter Brazão em prisão preventiva, decretada, em 24 de março, pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moares, significa “atropelar a Constituição”.

Eduardo defende que o acusado permaneça em liberdade até o fim do processo e ressalta que a Constituição “fala que nós deputados só podemos ser presos em flagrante de delito de crime inafiançável”. Segundo ele, o caso serve como uma “isca” para que, a partir da prisão preventiva de Brazão, “antes do julgamento final, mesmo fora de um flagrante delito”, deputados sejam “encarcerados”.

Para o parlamentar, na votação desta quarta-feira, 10, que ocorre na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados e decidirá se o parlamentar continua preso ou não, o que “menos importa é a liberdade individual do deputado Brazão”. De acordo com o filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), o que os deputados vão decidir é “se nós vamos atropelar a Constituição ou se a gente realmente vai fazer valer as leis do Brasil”.

“Não podemos ser reféns das nossas próprias opiniões”, afirma o deputado federal Eduardo Bolsonaro ao defender a soltura de Chiquinho Brazão.

 Foto: Wilton Júnior/Estadão

Sob argumento de que a decisão do STF é inconstitucional, Eduardo diz que não pode “admitir que ainda com processo a percorrer, ainda com a possibilidade da ampla defesa e do contraditório”, Brazão continue preso. No entanto, defende que “se for comprovada” a culpa do deputado, “que ele apodreça na cadeia”.

O deputado, o irmão dele Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), e o ex-chefe de Polícia Civil do Rio Rivaldo Barbosa foram apontados como autores intelectuais do crime após a deflagração da Operação Murder Inc. da Polícia Federal (PF), da Procuradoria Geral da República (PGR) e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

Chiquinho ainda é acusado de obstruir a Justiça ao comprometer as operações policiais que apuravam os homicídios, o que justificou a decisão de Moraes. Agora, constitucionalmente, cabe à Câmara manter ou não a prisão, dependendo de maioria absoluta de votos, 257, para chegar chegar a um resultado.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0