BRAIP ads_banner

Como as religiões lidam com pessoas transgênero? Entenda

CasaNotícias

Como as religiões lidam com pessoas transgênero? Entenda

Atlético-MG x Cruzeiro: horário e onde assistir ao jogo pelo Brasileirão
Taylor Swift: por que as pessoas amam chorar ouvindo músicas sobre término?
Líder do Hamas acusa Israel por tensões com Irã e por paralisação do cessar-fogo

O Vaticano publicou novo documento rejeitando o conceito de mudança de sexo biológico – um revés para as pessoas transgênero que esperavam que o papa Francisco estivesse preparando o terreno para uma abordagem mais acolhedora da Igreja Católica.

Em todo o mundo, as principais religiões têm abordagens diferentes sobre a identidade de gênero e a inclusão ou exclusão de pessoas transgêneras. Abaixo veja alguns exemplos.

Cristianismo

A postura de desaprovação da Igreja Católica em relação à transição de gênero é compartilhada por algumas outras denominações. Por exemplo, a Convenção Batista do Sul – a maior denominação protestante dos Estados Unidos – adotou uma resolução em 2014 declarando que “o desígnio de Deus foi a criação de dois sexos distintos e complementares, masculino e feminino”.

Ela afirma que a identidade de gênero “é determinada pelo sexo biológico, não pela autopercepção de alguém”. No entanto, várias denominações protestantes de linha principal acolhem pessoas trans como membros e como clérigos. A Igreja Evangélica Luterana na América elegeu um homem abertamente transgênero como bispo em 2021.

Islã

No Islã, não há uma única autoridade religiosa central e as políticas podem variar em diferentes regiões. Abbas Shouman, secretário-geral do Conselho de Acadêmicos Seniores de Al-Azhar, no Cairo, disse que “para nós, (…) a conversão sexual é completamente rejeitada”.

“Foi Deus quem determinou o (…) sexo do feto e intervir para mudar isso é uma mudança na criação de Deus, que é completamente rejeitada”, acrescentou Shouman.

No Irã, o fundador da teocracia xiita, Ayatollah Ruhollah Khomeini, emitiu um decreto religioso, ou fatwa, décadas atrás, abrindo caminho para o apoio oficial à cirurgia de transição de gênero.

Hinduísmo

Na sociedade hindu do sul da Ásia, embora os papéis tradicionais fossem e ainda sejam prescritos para homens e mulheres, as pessoas com expressão de gênero não binária são reconhecidas há milênios e desempenham papéis importantes nos textos sagrados.

As pessoas de terceiro gênero têm sido reverenciadas ao longo da história do sul asiático, com muitas delas ascendendo a posições significativas de poder sob governantes hindus e muçulmanos.

Estudantes indianos tocam instrumento às margens do Ganges Foto: Niharika KULKARNI / AFP – 9/4/2024

Uma pesquisa realizada em 2014 estimou que cerca de 3 milhões de pessoas de terceiro gênero vivem somente na Índia. O sânscrito, a antiga língua das escrituras hindus, tem o vocabulário para descrever três gêneros – masculino, feminino e neutro.

O grupo mais comum de pessoas de terceiro gênero na Índia é conhecido como “hijras”. Enquanto alguns optam por se submeter à cirurgia de mudança de gênero, outros nascem intersexuais. A maioria não se considera nem homem nem mulher.

Alguns hindus acreditam que pessoas de terceiro gênero têm poderes especiais e a capacidade de abençoar ou amaldiçoar, o que levou a estereótipos que fazem com que a comunidade seja temida e marginalizada.

Muitos vivem na pobreza, sem acesso adequado à saúde, moradia e emprego. Em 2014, a Índia, o Nepal e Bangladesh, que é um país de maioria muçulmana, reconheceram oficialmente as pessoas de terceiro gênero como cidadãos merecedores de direitos iguais.

A Suprema Corte da Índia declarou que “é direito de todo ser humano escolher seu gênero” e que o reconhecimento do grupo “não é uma questão social ou médica, mas uma questão de direitos humanos”.

Budismo

O budismo tradicionalmente adere a papéis binários de gênero, especialmente em suas tradições monásticas, em que homens e mulheres são segregados e recebem papéis específicos.

Essas crenças permanecem fortes na tradição Theravada, como visto na tentativa do Thai Sangha Council, o órgão budista governante na Tailândia, de proibir ordenações de pessoas transgêneras.

Mais recentemente, a tradição Theravada diminuiu um pouco as restrições contra pessoas que não se conformam com o gênero, ordenando-as em seu sexo registrado no nascimento.

No entanto, as escolas de budismo Mahayana e Vajrayana permitiram mais exceções, enquanto a seita Jodo Shinshu foi ainda mais inclusiva na ordenação de monges transgêneros, tanto no Japão quanto na América do Norte.

No budismo tibetano, Tashi Choedup, um monge abertamente queer, foi ordenado depois que seu professor se absteve de perguntar sobre sua identidade de gênero, conforme prescrito pela doutrina budista.

Muitas denominações budistas, especialmente no Ocidente, são intencionalmente inclusivas de pessoas transgênero em suas sanghas ou reuniões.

Judaísmo

O judaísmo reformista aceita pessoas transgênero e permite a ordenação de rabinos trans. De acordo com David J. Meyer, que atuou por muitos anos como rabino em Marblehead, Massachusetts, a sabedoria tradicional judaica permitia possibilidades de identidade e expressão de gênero diferentes daquelas normalmente associadas ao sexo designado no nascimento.

“Nossos textos místicos, a Cabala, abordam a noção de transição de um gênero para outro”, escreveu ele em um site afiliado à Reforma. É diferente, em sua maior parte, no judaísmo ortodoxo. “A maioria das pessoas transgênero achará as comunidades ortodoxas extremamente difíceis de navegar”, diz a Human Rights Campaign, importante grupo de defesa dos direitos LGBTQ dos EUA.

“Os transgêneros são ainda mais limitados pela ênfase do judaísmo ortodoxo no gênero binário e na separação estrita entre homens e mulheres”, diz a HRC. “Por exemplo, uma transgênero que não tenha passado por uma transição médica representa um desafio para um rabino que precisa decidir se essa pessoa se sentará com homens ou mulheres durante o culto.”

O rabino Avi Shafran, porta-voz da organização judaica ortodoxa Agudath Israel of America, escreveu uma postagem no blog no ano passado depois de aparecer em um painel da TV israelense para discutir questões relacionadas a transgêneros.

“Não se pode negar que há pessoas profundamente em conflito sobre suas identidades de gênero. Elas merecem estar a salvo de danos e, enfrentando desafios que o resto de nós não enfrenta, merecem empatia e compaixão”, escreveu Shafran.

“Mas a Torá e sua extensão, a halacha, ou lei religiosa judaica, são inequívocas quanto ao fato de que nascer em um corpo masculino requer viver a vida de um homem, e nascer mulher implica viver como uma mulher.”

“No judaísmo, cada gênero tem seu papel particular a desempenhar na vida”, acrescentou. “Os corpos que Deus nos deu são indicações do que somos e do que não somos, e de como Ele quer que vivamos nossas vidas.” /ASSOCIATED PRESS

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner