BRAIP ads_banner

Após estreia de Lula, esquerda explora Bluesky como trincheira contra Musk

CasaNotícias

Após estreia de Lula, esquerda explora Bluesky como trincheira contra Musk

Tatuagem pró-Temer, confete na Câmara: quem é o ex-deputado que foi preso pela PF
Prefeitura de SP troca placas na Paulista e mais ruas e internautas reagem; veja como ficou
Fortaleza atropela Nacional Potosí e mantém liderança na Sul-Americana

A diáspora dos usuários do X (ex-Twitter) rumo a outras redes sociais vem se intensificando à medida em que o bilionário Elon Musk, controlador da plataforma, persiste em investidas contra as instituições no Brasil, como o Supremo Tribunal Federal, em especial o ministro Alexandre Moraes, e o governo Lula.

Na última semana, após a estreia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva como primeiro chefe de Estado no Bluesky, o aplicativo de origem americana recebeu mais de 100 mil novos usuários brasileiros e ganhou destaque como novo refúgio da esquerda.

Nos últimos dias, a rede sofreu uma enxurrada de perfis do alto escalão do governo e seus aliados. As autoridades recém-chegadas à plataforma incluem os deputados federais Gleisi Hoffmann (PT-Pr), presidente nacional do PT, e Guilherme Boulos (PSOL-SP), pré-candidato apoiado por Lula à prefeitura de São Paulo, a maior do país. Também já abriram perfis na nova rede os ministros Paulo Pimenta (Secretaria de Comunicação) e Marina Silva (Meio Ambiente) e os senadores Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), líder do governo no Congresso, e Humberto Costa (PT-PE).

‘Resistência à tirania’

Com a migração em massa, o projeto do PT é abrir no Bluesky uma nova trincheira da esquerda em contraponto ao crescente protagonismo e radicalização da extrema direita no X, insuflados pela pregação recente de Musk. Em sua primeira publicação na rede, o deputado federal Lindbergh Farias (PT-RJ) anunciou a intenção de criar “uma grande rede de resistência à tirania de Elon Musk”.

Publicação do deputado federal Lindbergh Farias (PT-RJ) em seu perfil oficial no Bluesky em 10 de abril de 2024 (Bluesky/Reprodução)

De fato, a rede social recém-inaugurada não parece ter o mesmo apelo entre o eleitorado da direita. Entre os novos usuários há mais de vinte perfis ligados ao PT e ao PSOL que chegaram à rede nas últimas 48 horas — em contraste, nenhum dos principais nomes de oposição e aliados bolsonaristas parece ter apostado na plataforma até o momento.

Já a migração esquerdista ao Bluesky trouxe a reboque uma avalanche de perfis lulistas que, a exemplo do que já ocorre há anos no X, compartilham massivamente conteúdos de crítica à direita e defesa ferrenha do governo federal. Algumas destas contas, criadas há menos de uma semana, já acumulam mais de 10 mil seguidores.

Musk x Moraes

As frequentes colisões entre Elon Musk e o ministro Alexandre de Moraes, do STF, culminaram no pedido de demissão do advogado Diego de Lima Gualda, que até então atuava como único representante jurídico do X no Brasil. Ele comunicou sua renúncia à plataforma na última quarta-feira, 10.

Com rachaduras cada vez mais profundas entre a plataforma do magnata sul-africano e o governo brasileiro, o Planalto determinou a suspensão de todas campanhas publicitárias pagas pela Secom ao X. O valor total recebido pela rede do Executivo supera 5,4 milhões de reais, sendo mais de 600 mil reais desde 2023, quando Lula assumiu seu terceiro mandato presidencial.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner