BRAIP ads_banner

A curiosa reação da família a projeto que dá nome de Rita Lee a Ibirapuera

CasaNotícias

A curiosa reação da família a projeto que dá nome de Rita Lee a Ibirapuera

Irã diz que resposta a Israel será “severa e dolorosa” em caso de retaliação
Concurso internacional de foto homenageia Sebastião Salgado; veja vencedores
Concertos com trilhas de animes começam nesta quinta na Sala São Paulo

Quase um ano após sua morte, a cantora Rita Lee ainda é rotineiramente homenageada por colegas da música, fãs, familiares — e agora, também, políticos. Nesta quarta-feira, 10 de abril, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou em primeira votação um projeto que pretende dar o nome da artista ao parque mais famoso da capital paulista, de modo a transformar a área em “Parque Ibirapuera – Rita Lee“. A iniciativa ainda deve passar novamente pelo crivo do Legislativo e, então, ser sancionada pelo prefeito Ricardo Nunes — que já havia dito após a morte da cantora que entraria em contato com sua família para dar seu nome a uma praça.

A ideia foi proposta no mesmo dia da morte da cantora, 8 de maio de 2023, pela vereadora Luna Zarattini (PT), e é assinada também por Milton Leite — que atuava como prefeito em exercício na data. Em suas redes sociais, a política comemorou a aprovação, dizendo que tanto Rita quanto o Ibirapuera são “grandes patrimônios paulistanos”, e ainda justificou a iniciativa parafraseando trechos das autobiografias da artista que apontam sua relação afetiva com o local, inspiração das canções Vírus do Amor Minas de Sampa e cenário de piqueniques familiares. Em 10 de maio, Rita foi velada dentro do planetário do parque.

No Instagram, João Lee comemorou a decisão com uma postagem breve, em que diz que a mãe “vai ficar muito feliz”. O viúvo Roberto de Carvalho, por sua vez, não teceu comentários de autoria própria, mas compartilhou a notícia em seu story, ecoando a comemoração demais admiradores de Rita.

A homenagem é singela, mas contém uma grande ironia. Avessa a políticos, a artista escreveu no livro Rita Lee: Uma Autobiografia que nenhum profissional da área se atreveria a comparecer a seu velório, “uma vez que nunca compareci ao palanque de nenhum deles e me levantaria do caixão para vaiá-los”. É bem possível, então, que Rita torceria o nariz a uma homenagem grandiosa e careta advinda da esfera. Multifacetada como era, porém, ela já declarou o desejo de homenagem pública em um episódio do programa Saia Justa: “Você acha que, quando eu morrer, vou ganhar o nome de uma rua?”, pergunta à colega Fernanda Young que, também avessa a caretices, logo responde “tomara que não”. Surpreendendo como sempre, Rita então afirma, despojada: “Quero uma pracinha”. Caso seja aprovado em todas as instâncias, então, o projeto realizará o sonho, e Rita Lee ganhará uma pracinha de mais de 1 milhão de metros quadrados.

Acompanhe notícias e dicas culturais nos blogs a seguir:

Tela Plana para novidades da TV e do streaming
O Som e a Fúria sobre artistas e lançamentos musicais
Em Cartaz traz dicas de filmes no cinema e no streaming
Livros para notícias sobre literatura e mercado editorial



Fonte: Externa

BRAIP ads_banner