BRAIP ads_banner

O cérebro do homem muda quando ele se torna pai; entenda o que acontece

CasaNotícias

O cérebro do homem muda quando ele se torna pai; entenda o que acontece

Congresso aprova projeto de lei que estabelece Plano Nacional em Demência
De cirurgião-robô a chatbot de consulta, IA está revolucionando a saúde; veja especial do ‘Estadão’
Como maneirar no sal pode ajudar o seu intestino e – de quebra – o corpo todo

A questão: É verdade que o cérebro dos homens muda quando eles se tornam pais?

A ciência: A paternidade requer um conjunto de habilidades únicas. Mães e pais precisam antecipar as necessidades de seus filhos, compreendê-los e cuidar deles, muitas vezes sem experiência e em privação de sono.

Assim, não é surpreendente que os pais precisam se adaptar para ter sucesso em seu novo papel, dizem alguns pesquisadores.

Estudos mostram, por exemplo, que quando as mulheres ficam grávidas e após darem à luz, ocorrem mudanças físicas em seu cérebro que, suspeitam alguns pesquisadores, podem ajudar a prepará-las para a maternidade. E pesquisas mostram que novos pais passam por algo semelhante.

Estudos indicam que o cérebro dos homens passam por mudanças estruturais quando eles se tornam pais. Foto: Artem/Adobe Stock

As mudanças cerebrais que os homens experimentam podem apoiar “a capacidade de formar um vínculo com o bebê e se conectar de forma sensível com ele, porque isso é importante para a sobrevivência da nossa espécie”, explica Darby Saxbe, professora de psicologia na Universidade do Sul da Califórnia, que tem estudado mudanças estruturais no cérebro.

Saxbe e seus então colegas na Espanha realizaram estudos de imagem cerebral em 40 futuros pais antes e depois do nascimento de seu primeiro filho. Os pesquisadores descobriram que, embora as mudanças estruturais fossem mais sutis do que o que foi observado nas mulheres, os homens experimentaram uma redução na matéria cinzenta antes e depois de se tornarem pais.

Os cientistas notaram que essas mudanças ocorreram principalmente no córtex cerebral, que desempenha um papel no funcionamento executivo, incluindo memória, pensamento, raciocínio, aprendizagem, resolução de problemas e processamento emocional. Essa redução, um tipo de processo de racionalização, é pensada para ajudar o cérebro a processar informações de forma mais eficiente, ensina Saxbe.

De fato, em um estudo de acompanhamento, Saxbe e um colega descobriram que, entre 38 pais de primeira viagem, aqueles que experimentaram uma redução mais significativa no volume de matéria cinzenta no córtex cerebral relataram mais motivação e engajamento em relação à paternidade. “Eles se sentiram mais vinculados com seus bebês antes do nascimento”, diz. “E então, subsequentemente, eles passaram mais tempo com seus bebês como cuidadores primários.”

Homens também experimentam mudanças nos hormônios antes e depois de se tornarem pais. Um estudo mostrou que na primeira vez em que seguram seus recém-nascidos, os pais recebem um impulso de ocitocina, que é importante para o vínculo.

Outro estudo com mais de 600 homens encontrou que aqueles por volta dos 20 anos que tinham níveis mais altos de testosterona eram mais propensos a se tornarem pais parceiros no período de acompanhamento quatro anos depois. Então, aqueles que se tornaram pais parceiros experimentaram declínios significativos na testosterona, comparados com solteiros não pais, que viram declínios modestos.

Níveis mais altos de testosterona em homens, entre outras coisas, facilitam a competição na busca de futuras parceiras. “Então, a ideia é que a testosterona declinante conforme os homens estão fazendo a transição para a paternidade redefine o foco e as prioridades para a família”, interpreta Lee Gettler, professor de antropologia na Universidade de Notre Dame e autor principal do estudo sobre testosterona.

Gettler e seus colegas viram alguns resultados complementares em homens que se tornaram pais novamente ao redor dos 30 anos. Os resultados foram menos dramáticos para os pais mais velhos, no entanto, possivelmente porque os homens produzem menos testosterona à medida que envelhecem, diz Gettler, também diretor do Laboratório de Hormônios, Saúde e Comportamento Humano na Universidade de Notre Dame.

Em outro estudo, a redução da testosterona e o aumento do cortisol, o hormônio do estresse, em homens que acabaram de se tornar pais foram vinculados a um maior envolvimento parental nos meses seguintes.

Não se sabe tanto sobre as mudanças que ocorrem em homens que se tornam padrastos ou pais adotivos, informam os especialistas. Pais gays que eram cuidadores primários exibiram alta ativação no centro de processamento emocional do cérebro, semelhante ao das mães que eram cuidadoras primárias, mostra um estudo.

“O corpo dos homens está se preparando para as demandas da paternidade de algumas maneiras que são paralelas ao que as mães experimentam, mas, de outras maneiras, são distintas ou especificamente evoluídas nos pais para ajudá-los a se concentrar nas necessidades de seus parceiros e de seus filhos”, explica Gettler.

O que mais você deve saber

Embora a redução da matéria cinzenta em pais de primeira viagem possa contribuir para um melhor vínculo e engajamento, as mudanças também estão vinculadas a um risco maior de depressão pós-parto, ansiedade e má qualidade do sono em homens. “É uma mistura”, diz Saxbe.

A conclusão

Desde mudanças estruturais no cérebro até mudanças nos hormônios, o corpo dos homens parece se adaptar para ajudá-los a se preparar para a paternidade.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner