BRAIP ads_banner

Livro é devolvido à biblioteca dos EUA com 105 anos de atraso

CasaNotícias

Livro é devolvido à biblioteca dos EUA com 105 anos de atraso

Brasil registra em Salvador primeiro caso local de Cólera após 18 anos
Menino de 10 anos confessa ter matado homem quando tinha 7 nos EUA, dizem autoridades
Morre Terry Anderson, jornalista americano que foi refém no Líbano durante 7 anos

Há muitas histórias à espera nas prateleiras de livrarias e bibliotecas. Uma delas, que aconteceu na Biblioteca Pública de Fort Collins, no Colorado, chamou a atenção.

Uma cópia do clássico Ivanhoe, de Sir Walter Scott, voltou recentemente às prateleiras da biblioteca depois de ficar desaparecido por 105 anos.

“O livro foi retirado e devolvido três vezes antes de sumir”, disse Annaclaire Crumpton, bibliotecária.

Livro é devolvido à biblioteca com 105 anos de atraso / Instagram @PoudreLibraries

13 de fevereiro de 1919. Essa era a data que o exemplar deveria ter sido devolvido.

“105 anos depois, alguém entregou. Então aqui está! Veio até nós de uma mulher sem nome, que foi recebeu o livro do seu irmão, que o encontrou nos pertences de sua mãe no Kansas”, continuou Crumpton.

O mais impressionante é que o livro voltou intacto à biblioteca. E mais do que o clássico contido nas páginas do livro, esta cópia de Ivanhoe traz registrada a história das gerações pelas quais passou até retornar ao seu devido lugar.

Livro é devolvido à biblioteca com 105 anos de atraso
Livro é devolvido à biblioteca com 105 anos de atraso / Instagram @PoudreLibraries

Em 1919, a antiga Biblioteca Pública de Fort Collins, que ficava localizada em um prédio atrás de onde o local está hoje, cobrava dois centavos de dólar por dia de multa pelo atraso na devolução dos exemplares. De acordo com os cálculos de Crumpton, hoje a multa seria de algo em torno de 14 mil dólares, cerca de R$71.300. Felizmente, a nova biblioteca parou de cobrar a multa.

A expectativa é que este livro possa ser exibido em um museu local.

“Nós celebramos a magia dos livros e, mais ainda, quando essa mágica já dura mais de um século”, disse a bibliotecária. “Estamos cercados por eles [livros] o tempo todo. São muito preciosos”, finalizou.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner