BRAIP ads_banner

Ibuprofeno: o que é, para que serve, como tomar e as reações adversas

CasaNotícias

Ibuprofeno: o que é, para que serve, como tomar e as reações adversas

Seu detergente está entre os lotes com contaminação biológica? Entenda se há riscos
O vinagre de maçã é realmente uma solução para tudo, de alívio da tosse a perda de peso?
Quatro pessoas morrem afogadas no litoral de SP; bombeiros buscam dois desaparecidos

O ibuprofeno é um dos medicamentos anti-inflamatórios mais comuns e usados no Brasil. Isso porque, seja na forma de comprimido, em cápsula ou em solução, sua compra não exige receita médica, o que facilita o acesso.

“É importante ressaltar que o Brasil responde por números elevados de automedicação e do consumo inadequado de medicamentos”, alerta o professor Roberto Parise Filho, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo. Por isso, ainda que seja um remédio bem tolerado e com boa eficácia, o uso do ibuprofeno deve ser feito sempre sob orientação de um profissional, na quantidade e pelo período adequados.

Ibuprofeno é um medicamento anti-inflamatório vendido sem prescrição. Mas ele não deve ser usado de forma indiscriminada Foto: Melinda Fawver/Adobe Stock

Para que o ibuprofeno é indicado?

No geral, o ibuprofeno não é um medicamento prescrito para curar doenças, mas, sim, para controlar alguns sintomas. Ele é um anti-inflamatório não esteroide (AINE), o que, na prática, significa que age no controle de três estados: dor, febre e processo inflamatório.

Para isso, ele age inibindo não seletivamente as enzimas cicloxigenases (COX1/2), que são essenciais para a formação de prostaglandinas, justamente as substâncias envolvidas na mediação da dor, da febre e da inflamação. Dessa forma, ao inibir as COX, o ibuprofeno reduz a produção de prostaglandinas e, consequentemente, provoca diminuição dos sintomas.

Segundo Parise Filho, o medicamento é indicado para tratar diversos casos, como:

  • Dor de cabeça;
  • Dores musculares;
  • Cólica menstrual;
  • Estado febril;
  • Artrite reumatoide e outras condições reumáticas.

Outros medicamentos também exercem a mesma função, como o ácido acetilsalicílico, mais conhecido como aspirina, e o naproxeno. A orientação médica depende da condição a ser tratada e da resposta do indivíduo. “Não há uma comparação direta que possa beneficiar o ibuprofeno em detrimento a outros fármacos”, avisa o especialista.

Como tomar ibuprofeno?

É recomendado ingerir ibuprofeno com alimentos ou leite, a fim de minimizar os incômodos gastrointestinais que o medicamento pode causar em jejum. Além disso, o consumo de álcool deve ser evitado, pois há o risco de hemorragia no sistema digestivo.

A depender da forma como é administrado, o medicamento começa a agir entre 30 e 60 minutos após a ingestão, com pico de ação, ou seja, efeito máximo, entre uma e duas horas. Enquanto os sintomas persistirem, ele pode ser tomado a cada quatro ou seis horas de intervalo. Segundo Filho, o uso também pode ser intercalado com outros analgésicos, antitérmicos e anti-inflamatórios em situações que requerem menor tempo entre doses.

No entanto, o ibuprofeno deve ser usado por até três dias em casos de febre e sete dias para dores, de forma que seu uso prolongado deve ser evitado. Quando utilizado por muito tempo ou em altas doses, o medicamento oferece riscos cardiovasculares e gastrointestinais, como úlceras e hemorragias, além de provocar danos aos rins e ao fígado.

“Se a dor, febre ou inflamação persistirem, é necessário buscar orientação médica sobre a real causa dos sintomas”, afirma Filho. O paciente pode ultrapassar esse período de uso apenas quando há orientação profissional. Nesses casos, deve haver supervisão médica para monitorar possíveis efeitos adversos.

Quais as reações adversas?

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

No geral, o ibuprofeno é um medicamento bem tolerado, mas reações adversas podem aparecer. Entre elas, as mais comuns são os problemas gastrintestinais, como

  • Dor abdominal
  • Náusea
  • Indigestão
  • Diarreia

Alguns efeitos adversos menos comuns, mas preocupantes, são úlceras gástricas ou duodenais, hemorragias gastrointestinais e reações alérgicas. Nesses casos, o uso deve ser interrompido imediatamente e um médico deve ser acionado.

Quais as contraindicações do ibuprofeno?

O ibuprofeno pode interagir negativamente com alguns anticoagulantes, potencializando o risco de hemorragias. Por isso, a combinação deve ser evitada. Além disso, não deve ser administrado por pessoas com:

  • Histórico de úlceras
  • Alguma hemorragia gastrointestinal ativa
  • Insuficiência renal, hepática ou cardíaca

Para grávidas, o medicamento também é contraindicado, especialmente a partir da 28ª semana de gestação. “O fármaco pode causar problemas no desenvolvimento do bebê, como o fechamento precoce de um importante vaso sanguíneo que é necessário para a circulação do sangue no feto. Ainda, o uso ao final da gravidez também pode levar a atrasos no parto e problemas nos rins do bebê”, explica o professor Roberto Filho.

Em lactantes, pequenas quantidades do ibuprofeno podem passar para o leite materno, mas o uso não é considerado perigoso para o bebê se o medicamento for tomado em baixas doses e por curtos períodos. Já crianças e idosos podem usar o ibuprofeno sob orientação médica, mas geralmente as dosagens são cautelosas, personalizada de acordo com cada organismo.

Outra contraindicação do ibuprofeno é para pessoas que têm alergia ao princípio ativo do medicamento. Muitas vezes, descobre-se essa informação com seu uso, que deve ser imediatamente interrompido.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner