BRAIP ads_banner

Confira as melhores estratégias para manter a mente ativa e afiada à medida que a idade avança

CasaNotícias

Confira as melhores estratégias para manter a mente ativa e afiada à medida que a idade avança

Eles leem 100, 200, 365 livros por ano. Quer saber como ler mais? Veja as dicas de 5 superleitores
Conheça alimentos que contribuem para o envelhecimento precoce da pele
Noctúria: levantar à noite para fazer xixi pode ser sinal de problemas na saúde; entenda

Marie Jerusalem, 62 anos, nunca se sentiu tão capaz de se adaptar às demandas em constante mudança do mundo corporativo. “Meu corpo não é tão ágil quanto costumava ser, mas, mentalmente, sou mais forte hoje do que provavelmente já fui em toda a minha carreira”, ela conta à Fortune.

Aos 57 anos, Marie foi dispensada de seu papel como diretora de RH em uma empresa de capital privado. Mas ela não estava financeira ou emocionalmente pronta para se aposentar. Após trabalhar por alguns anos como consultora de negócios em RH, ela fez uma mudança e lançou a Rocket50, uma comunidade de membros e plataforma de busca por emprego que auxilia trabalhadores mais velhos. Para colocar seu negócio em funcionamento, ela teve que adquirir rapidamente uma série de novas habilidades – desde atuar com inteligência artificial até criar estratégias de marketing e mídias sociais.

Marie rejeita a noção de que pessoas mais velhas não querem aprender novas maneiras de fazer as coisas e responsabiliza as exigências de lançar um negócio – como adquirir novas habilidades e se envolver com outros – por aumentar sua confiança e resiliência mental.

Frequentemente, as pessoas assumem que a mente não funciona otimamente com a idade. Embora ocorram alguns declínios normais relacionados à idade na velocidade de pensamento e atenção, as habilidades de tomada de decisão e raciocínio abstrato das pessoas podem, na verdade, melhorar com a idade, de acordo com pesquisas do Instituto Nacional sobre Envelhecimento e do Columbia University Irving Medical Center (CUIMC).

É uma boa notícia, já que se espera que os funcionários com 55 anos ou mais constituam mais de um quarto da força de trabalho na próxima década, e as pessoas estão trabalhando além da idade de aposentadoria cada vez mais, seja porque desejam permanecer engajadas ou porque finanças e deveres de cuidar de alguém tornam impossível não fazê-lo.

Independentemente do motivo pelo qual estão trabalhando, todos têm algo em comum: eles querem manter a mente afiada. Felizmente, o cérebro é adaptável, e especialistas dizem que alguns hábitos diários podem ajudar as pessoas a manterem a resiliência cognitiva bem na velhice.

É cada vez mais comum ver as pessoas trabalhando além da idade da aposentadoria. Por isso, há um desejo crescente em manter o cérebro ativo e saudável. Foto: fizkes/Adobe Stock

O básico

O sono é crítico para a saúde de todos, mas é especialmente importante para o cérebro envelhecido. “Distúrbios do sono foram associados a comprometimento cognitivo e diminuição da função física”, diz Marie-Pierre St-Onge, PhD, diretora do Centro de Excelência para Pesquisa do Sono e Circadiana do CUIMC.

Embora sete a nove horas de sono por noite seja o padrão-ouro, cerca de um terço dos adultos mais velhos não atendem ao mínimo, de acordo com um estudo publicado na BMC Public Health. Especialistas recomendam manter um horário regular para dormir e despertar, e desenvolver uma rotina noturna que inclua limitar o tempo de tela e envolver-se em uma atividade calmante, além de quaisquer outras intervenções recomendadas pelo médico.

Pesquisas também têm destacado há muito tempo o papel do exercício na proteção da função cerebral vital. O movimento ajuda a combater a contração relacionada à idade do hipocampo cerebral, responsável pela memória.

Não é preciso muita atividade para ver resultados positivos: um estudo publicado no Journal of Epidemiology and Community Health descobriu que até mesmo 10 minutos diários de movimento moderado a vigoroso, como caminhar rapidamente, andar de bicicleta ou fazer trilhas, podem melhorar o processamento mental, como planejar e completar tarefas de forma eficiente. O exercício também ajuda a reduzir problemas de sono, como insônia.

Um amigo do bairro

Manter amizades e relacionamentos sólidos pode parecer contraditório com o trabalho e os deveres de cuidado. No entanto, tomar um café com um colega, fazer trabalho voluntário em sua comunidade ou organizar um jantar em família ajudará a manter o cérebro estimulado.

Atividade social protege contra uma variedade de resultados negativos de saúde na velhice, incluindo declínio cognitivo, demência e até mortalidade precoce”, diz Patricia Boyle, PhD, membro do conselho da McKnight Brain Research Foundation e neuropsicóloga no Rush Alzheimer’s Disease Center em Chicago. Isso pode até mesmo manter a resiliência do cérebro diante de doenças, acrescenta ela.

Além disso, socializar, especialmente entre gerações diferentes, expande as perspectivas das pessoas, o que revigora a mente à medida que se consideram novas formas de pensar, explica Tara Swart, principal neurocientista e autora de The Source: Open Your Mind. Change Your Life.

Aprendizado ao longo da vida

O cérebro continua se desenvolvendo bem na velhice. Mas o cérebro estagna quando as pessoas não se envolvem em atividades que exigem muita atenção, diz Swart. Lançar um negócio, como Jerusalem fez, é uma dessas atividades, mas você não precisa fazer algo tão intenso para colher os benefícios.

Aprender uma nova língua ou um instrumento musical é tão difícil que força seu cérebro a mudar”, Swart observa, fortalecendo o funcionamento executivo e a capacidade de regular emoções e resolver problemas complexos.

Até mesmo desfrutar passivamente das artes pode servir como um impulso cerebral. O novo campo da neuroestética sugere que qualquer coisa, desde ouvir uma ópera até assistir a um balé ou observar uma pintura, pode melhorar a atenção e, em última análise, prolongar o tempo de vida de alguém. “Essas formas de beleza têm um impacto realmente benéfico sobre nós”, diz Swart.

Um novo olhar sobre o envelhecimento

Pesquisas da Harvard T.H. Chan School of Public Health descobriram que pessoas que têm uma visão positiva do envelhecimento tendem a viver mais e a ter melhor saúde física e cognitiva.

Maddy Dychtwald, autora de Ageless Aging, diz que há uma série de aspectos positivos que acompanham a escalada da escada cronológica, como sabedoria e autoaceitação. “Temos um poder que nunca pensamos ter antes”, diz ela.

Lesley Steinman, cientista de pesquisa no centro de pesquisa de promoção da saúde na Universidade de Washington, adverte contra o uso de termos ultrapassados, como “tsunami prateado”, que perpetuam estereótipos negativos sobre o envelhecimento.

Pesquisadora do Programa para Encorajar Vidas Ativas e Recompensadoras (PEARLS), Steinman ajuda adultos mais velhos a permanecerem engajados e a desempenharem um papel ativo na maneira como envelhecem. “As pessoas muitas vezes se surpreendem ao descobrir que há bastante coisa que podem fazer, mesmo que ainda existam questões sistêmicas e estruturais dificultando suas vidas”, diz ela.

Pensar positivamente também pode ajudar a aliviar problemas de saúde mental, como depressão – uma preocupação latente para adultos mais velhos que podem estar enfrentando desafios de saúde ou lidando com perda e luto.

Hábitos como dormir bem, fazer exercícios e pensar positivamente podem ajudar a reduzir o estresse e a depressão, o que, por sua vez, pode aprimorar o desempenho cognitivo.

Marie Jerusalem não tem planos de se aposentar tão cedo. Ela acorda todos os dias ansiosa para aprender e interagir com trabalhadores mais velhos. Ela diz que no momento em que perder a motivação, tentará algo novo. “Encontre sua paixão e permaneça engajado pelo tempo que puder, porque é isso que realmente faz você se sentir vivo”, diz ela.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner