BRAIP ads_banner

Após exame inconclusivo, suposta bomba é detonada no aeroporto de Brasília

CasaNotícias

Após exame inconclusivo, suposta bomba é detonada no aeroporto de Brasília

Campeão olímpico de vôlei, Tande sofre infarto e se recupera
Grupo de credores com R$ 3 bi deve ditar rumos da assembleia da Light
Mercado põe em dúvida corte de 0,5 ponto da Selic em maio e já vê redução de 0,25 em junho

Continua após publicidade

A Polícia Militar do Distrito Federal e o Corpo de Bombeiros foram acionados após uma ameaça de bomba nas proximidades do Aeroporto Internacional de Brasília na manhã desta terça-feira, 16. Dois pacotes suspeitos foram deixados na área de estacionamento, ao lado de uma locadora de veículos. 

De acordo com o major da Polícia Militar Michello Bueno, os artefatos estavam envoltos em fita, passaram pelo scanner do Batalhão de Operações Especiais, mas o resultado foi inconclusivo. Com isso, os pacotes foram detonados.

“O esquadrão antibombas realizou a análise dos objetos através de scanner, com resultado inconclusivo, levando-se a decisão de uma detonação controlada para abertura e reanálise dos destroços. O resultado permaneceu inconclusivo. O artefato foi detonado e o local preservado para análise pericial através da PCDF”, informou a PM em nota. 

A área de estacionamento foi bloqueada por algumas horas para que o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal e o esquadrão antibombas da PMDF agissem, mas foi liberado no início desta tarde. O episódio não afetou os voos, e o aeroporto opera normalmente, sem atrasos ou cancelamentos. 

Continua após a publicidade

Ataques golpistas

Não é a primeira vez que há uma ameaça de bomba em Brasília. Em 24 de dezembro de 2022, as autoridades foram acionadas para investigar um artefato explosivo em uma caixa encontrada na via que dá acesso ao Aeroporto de Brasília.

No mesmo dia, a polícia prendeu o suspeito de ter montado a bomba, o empresário George Washington, de 54 anos. Em depoimento, ele afirmou que o plano era “dar início ao caos” que levaria à “decretação do estado de sítio no país”. Foi condenado a nove anos e quatro meses de prisão. O blogueiro bolsonarista Wellington Macedo de Souza também foi condenado a seis anos de prisão por participar do crime. 

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner