BRAIP ads_banner

Aplicativos destruidores do varejo online podem ser fabricados na China

CasaNotícias

Aplicativos destruidores do varejo online podem ser fabricados na China

270 milhões de pessoas vivem em terras que estão afundando na China, diz estudo
Gleisi Hoffmann vai à China e fala em “aprofundar parcerias“ com Partido Comunista
PIB da China cresce acima do esperado e atinge 5,3% no primeiro trimestre

Análise realizada por John Lee, analista da Bloomberg Intelligence. Exibido antes no Terminal Bloomberg.

Aplicativos de compras chineses estão agitando o varejo mundial. Cinco gráficos revelam como o Temu, uma sensação viral no setor de descontos, e a Shein, líder em fast fashion, usaram uma combinação inteligente de preços baixos, uma estratégia habilidosa nas redes sociais e uma experiência de compra gamificada para impulsionar o crescimento vertiginoso das vendas. Seu rápido sucesso sinaliza como empreendedores emergentes estão redefinindo o varejo online.

Experiência de compra gamificada da Temu atrai a Geração Z

A Temu, de propriedade da chinesa PDD Holdings, gastou US$ 14 milhões para promover seu anúncio “Compre como um bilionário” durante o Super Bowl dos EUA deste ano, e as vendas viralizaram desde então. Os 102 milhões de downloads do app da Temu nos EUA até agora neste ano colocam o app na liderança de longe, e mais do que triplicam a distância para seu concorrente mais próximo em aplicativos de compras, Shein, com 29 milhões. Relatos da mídia sugerem que o orçamento de marketing da Temu nos EUA pode facilmente ultrapassar US$ 1 bilhão, sendo que parte dele é destinado a jogos, onde os consumidores podem ganhar dinheiro por indicar novos usuários.

Temu lidera guerra de preços nos EUA

A proposta de preço da Temu pode definir o ritmo para os compradores dos EUA, com base em uma comparação de 11 de outubro. Os chinelos de praia custam 67% mais na Amazon do que produtos semelhantes na Temu, de acordo com a analista sênior Catherine Lim. A Temu dispensou todos os encargos de envio para os pedidos em sua plataforma sem exigir um valor mínimo de compra, que é exigido pela Shein e pelo AliExpress. Os compradores do Temu não precisam participar de qualquer assinatura, como o Prime da Amazon, para aproveitar tais vantagens.

A Shein pode manter seu crescimento vertiginoso?

O volume bruto de mercadorias (GMV, na sigla em inglês) da Shein em 2022 pode ter disparado para US$ 30 bilhões, segundo alguns cálculos. Se estiver correto, isso a tornaria a varejista de moda on-line número 1 do mundo, implicando um crescimento médio anual explosivo de 82% do GMV entre 2019 e 2012. Se a Shein conseguir atingir sua meta agressiva de US$ 80 bilhões de GMV até 2025 — o que implica em ganhos anuais de 40% — seu tamanho pode superar o do eBay, tornando-a o triplo do tamanho da Zalando, Asos e Boohoo Group combinadas, de acordo com nossa analista, Tatiana Lisitsina.

No entanto, sustentar um crescimento tão espantoso pode ser uma tarefa difícil, especialmente porque a Temu e outros imitadores estão entrando na briga e os compradores da Geração Z não são conhecidos por sua lealdade às marcas. O custo de capital mais alto também aumenta a urgência para gerar lucro. A última rodada de financiamento da Shein avalia a empresa em US$ 64 bilhões neste ano, abaixo da alta de US$ 100 bilhões em 2022.

Shein é a marca mais popular no TikTok

A Shein usou com sucesso as redes sociais, especialmente o TikTok, tanto para iniciativas de marketing quanto para servir como barômetro das preferências dos consumidores. No TikTok, a hashtag #shein acumulou mais de 76 bilhões de visualizações cumulativas, superando 24 bilhões para #zara, 2 bilhões para #Asos e ainda maior do que #nike. A Shein é menos dominante no Instagram, onde seus 30 milhões de seguidores representam cerca de metade dos 61 milhões da Zara. Isso pode ser explicado pelo fato de que a visibilidade no Instagram é determinada pelos influenciadores sociais e pelas próprias marcas, enquanto a visibilidade no TikTok é determinada principalmente pelos usuários. Os usuários do TikTok também são mais jovens — semelhante aos devotos da Shein e mais voltados para o conteúdo em vídeo, proporcionando à Shein um crescimento mais rápido e mais orgânico, de acordo com a analista Tatiana Lisitsina.

Amazon ainda desfruta de uma vantagem clara, por enquanto

Os 155 milhões de usuários ativos mensais (MAUs, na sigla em inglês) da Shein conferem a ela uma estatura dominante entre aplicativos de empresas chinesas, mas representam apenas 46% dos usuários da Amazon. Após iniciar as operações em setembro de 2022, o número de MAUs do Temu disparou para 121 milhões, o que corresponde a 36% dos usuários da Amazon.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner